Notícias

Pessoas autistas pedem direito de falar por si mesmas

Aceitação à condição autista e atenção ao envelhecimento de mães e cuidadores foram debatidas em audiência na ALMG.

26/04/2023 - 18:22
Imagem

Pessoas autistas devem falar por si próprias e não devem mais ser patologizadas. Precisamos acabar com a crença de que a pessoa com deficiência tem de ser consertada para estar no mundo”.

Com essa fala, a adestradora de cães Adriana Torres Ferreira trouxe reflexões importantes para audiência pública da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), realizada na tarde desta quarta-feira (26/4/23).

O debate, que compôs a programação da Casa em abril, mês de conscientização sobre o autismo, deu destaque à necessidade das pessoas autistas falarem por si próprias, uma demanda antiga de ativistas autistas em todo o mundo. Adriana Ferreira, mulher de 50 anos, compartilhou as experiências de seu diagnóstico tardio aos 47 anos e de viver num mundo neurotípico, onde teve de fingir ser quem não era. 

Botão

Passei uma vida sem nenhuma adaptação. Tenho depressão refratária e síndrome do pânico, não porque foram doenças que vieram associadas, mas porque eu tive de me forçar a ser quem eu não era. O diagnóstico foi uma libertação", afirmou.

Citação

Adriana Ferreira também explicou que o autismo em meninas se manifesta diferente e como, historicamente, o corpo feminino sempre foi menos estudado pela ciência, durante muito tempo foi negada a existência de mulheres autistas.

“Precisamos não de um mês de conscientização, mas sim de aceitação. Estamos aqui desde que o mundo é mundo. O problema são os neurotípicos, nós existirmos é um problema para vocês. O homem branco hétero cis quer excluir todos que não fazem parte da turma dele, para poder exercer o seu poder e ganância”, denuncia. 

A estudante Nicoly Oliveira Rocha, de 15 anos, também deu seu depoimento sobre seu diagnóstico tardio e a ansiedade e a depressão que enfrenta como consequência. 

“Precisei me adaptar à comunidade neurotípica e às exigências que não fazem parte do que eu penso em nome de uma suposta normalidade. Isso dói. A ideia de que o azul é a cor do autismo é excludente. Precisamos não de um mês, mas de um ano colorido, onde as pessoas autistas, com TDAH e todas as neurodiversidades presentes na nossa comunidade, sejam aceitas o ano inteiro”, explicou. 

Defensor público e coordenador estadual da Pessoa Idosa e da Pessoa com Deficiência da Defensoria Pública de Minas Gerais, Luis Renato Braga Arêas Pinheiro enfatizou que, mesmo sendo pai de pessoa autista, não se sente à vontade para falar pelo filho.

A pessoa com deficiência tem de falar por si. Só vamos mudar o panorama das coisas a partir do momento que elas ocuparem o espaço que é naturalmente delas”, defende.

A diretora-presidente do Centro Especializado Nossa Senhora D'Assumpção (Censa Betim), Natália Costa, ressaltou que o autismo não deve ser encarado como doença a ser curada, mas sim como uma condição.

Vídeo

Envelhecimento de cuidadores precisa de atenção

A diretora também manifestou preocupação quanto ao envelhecimento dos pais e dos cuidadores de pessoas autistas. “Quem cuida das pessoas que precisam dessa assistência quando o cuidador envelhece ou morre? O Estado precisa oferecer estrutura para que aqueles que precisam de auxílio não sejam abandonados”.

Imagem

Promotora de Justiça do Ministério Público de Minas Gerais, Vânia Samira Doro Pereira Pinto pediu que o Estado priorize as pessoas com deficiência no orçamento, para que elas possam receber cuidados e sejam criadas oportunidades de autonomia.

“A consciência só vem quando passamos a conviver e dialogar. Precisamos garantir a qualidade de vida das pessoas com deficiência, elas não podem envelhecer e ficar sem cuidadores”, destacou. 

Secretária Municipal de Esportes em Juatuba (RMBH) e mãe, Cristiane Campagnani Pereira manifestou sua preocupação pela falta de políticas públicas direcionadas às mães de pessoas com deficiência.

“Tive crise de ansiedade por não saber quem vai cuidar do meu filho no futuro, na minha falta. Precisamos de ações para as mães porque fazer por nós é fazer por eles. E muitas mães também não têm os seus próprios diagnósticos”, ressaltou.

Citação

Coordenadora de Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência da Secretaria de Estado de Saúde, Renata Cardoso Ferreira Vaz deu destaque às equipes multidisciplinares existentes em algumas escolas do estado e que atendem às pessoas com deficiência e pontuou a importância do diagnóstico o mais cedo possível na vida das crianças. 

Presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência e autor do requerimento para a realização da reunião, o deputado Dr. Maurício (Novo) pediu que as crianças autistas sejam incluídas nas atividades cotidianas das escolas.

Áudio
Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência - debate sobre a conscientização sobre o transtorno do espectro autista
Prefeituras são criticadas por não respeitarem lei em favor de pessoas autistas TV Assembleia
Áudio
Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência - debate sobre a conscientização sobre o transtorno do espectro autista
"Não somos complexos, nem um quebra cabeças, nem um cubo mágico. O nosso cérebro apenas funciona de forma diferente do de vocês. O mundo precisa de diversidade de mentes e de corpos. Temos o direito de existir e falar por nós mesmos, até os que não falam.”
Adriana Ferreira
Adestradora de cães
“Muitas vezes o aluno fica relegado aos cuidados do professor de apoio, que fica responsável por aquele aluno separadamente, e há uma exclusão social que não pode acontecer”
Dr. Maurício
Dep. Dr. Maurício

Receba as notícias da ALMG

Cadastre-se no Boletim de Notícias para receber, por e-mail, as informações sobre os temas de seu interesse.

Assine