Notícias Rss

Ao final da Reunião Extraordinária, deputados que se opõem à criação do Femeg posaram no Plenário.
Ao final da Reunião Extraordinária, deputados que se opõem à criação do Femeg posaram no Plenário. - Foto:Sarah Torres
Não há acordo para votação do fundo extraordinário
13/12/2018 19h50

Encerramento de discussão não garante votação do Femeg

Embates regimentais e esvaziamento do Plenário impediram votação de projeto do governador.

O Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), nesta quinta-feira (13/12/18), encerrou a discussão em 2º turno do Projeto de Lei (PL) 5.456/18, do governador Fernando Pimentel, que institui o Fundo Extraordinário do Estado de Minas Gerais (Femeg). No entanto, divergências entre oposição e base de governo e embates regimentais marcaram as reuniões plenárias, o que acabou impedindo que o projeto fosse votado nesse mesmo dia.

O embate foi iniciado ainda durante a Reunião Ordinária da tarde, quando oito parlamentares encaminharam a votação. Sete deles se pronunciaram contra o projeto: Fred Costa (Patri), Bonifácio Mourão (PSDB), Fabiano Tolentino (PPS), Carlos Pimenta (PDT), Noraldino Júnior (PSC), Sargento Rodrigues (PTB) e Arlen Santiago (PTB). O líder do Bloco Minas Melhor, deputado André Quintão (PT), foi o único a defender a proposição na tribuna.

Por meio do encaminhamento regimental de votação, cada deputado pode defender seu posicionamento com relação à proposição em análise. Os pronunciamentos aconteceram sob aplausos e vaias de prefeitos, servidores e cidadãos, que ocupavam a galeria superior do Plenário. Dali, manifestaram sua rejeição ao PL 5.456/18.

Os deputados contrários argumentaram que o governo utiliza fontes de recursos incertas e não factíveis para capitalizar o fundo, deixando prefeituras de todo o Estado sem qualquer segurança de que receberão repasses em atraso. Também acusaram o governador Fernando Pimentel de utilizar o projeto apenas como uma manobra contábil para evitar ser enquadrado em violações da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Já o deputado André Quintão argumentou que o debate em torno do projeto mostraria que se tornou questionável a aplicabilidade da Lei de Responsabilidade Fiscal, tendo em vista a crise fiscal que os Estados e municípios enfrentam nesse momento. “Talvez as imposições da Lei de Responsabilidade Fiscal não estejam adequadas à realidade atual”, afirmou o parlamentar.

Mais tarde, já na Reunião Extraordinária da noite, deputados da oposição pressionaram para que o presidente da ALMG, deputado Adalclever Lopes (MDB), colocasse em votação o projeto. Após verificação de quórum solicitada pelo deputado Rogério Correia (PT), verificou-se que 35 parlamentares estavam presentes, abaixo do mínimo necessário de 39 para votação. Anteriormente, na Reunião Ordinária, chegou-se a registrar um quórum de 54 deputados.

Entenda o Femeg – De acordo com o PL 5.456/18, o Fundo Extraordinário do Estado de Minas Gerais deverá receber da União os recursos que o Estado tem direito, em função de perdas provocadas pela Lei Kandir. Ele também poderá agregar receitas de natureza não tributária, créditos decorrentes de precatórios devidos pelos municípios ao Estado e créditos judiciais devidos pela União ao Estado provenientes de decisão com trânsito em julgado até a publicação desta lei.

De acordo com a proposição, os recursos que compõem o fundo serão considerados disponibilidades financeiras exclusivamente para pagamento de despesas inscritas em restos a pagar, liquidados ou não, relativos aos exercícios financeiros de 2018 e anteriores, ainda que o ingresso de recurso venha a se efetivar em outro ano, ressalvados os repasses dos duodécimos devidos aos Poderes do Estado.

Entre as despesas a serem quitadas por esse fundo, estão diversos repasses em atraso do Estado para municípios mineiros. Muitos prefeitos e deputados, no entanto, consideram a vinculação entre essas receitas e despesas a configuração de um calote, uma vez que não há qualquer garantia de que o Estado receberá compensações federais da Lei Kandir ou outras receitas destinadas ao Femeg.

Parlamentares iniciam discussão do Orçamento para 2019

Diante da impossibilidade de ser votar a criação do Femeg, foi iniciada a discussão do único outro projeto ainda restante na pauta, o PL 5.406/18, do governador, que trata do Orçamento do Estado para 2019.

O projeto prevê um crescimento de 41,54% do deficit orçamentário do Estado em 2019, em relação ao ano atual. A estimativa é de uma receita de R$ 100,33 bilhões e uma despesa total de R$ 111,77 bilhões, resultando em um deficit fiscal de R$ 11,44 bilhões.

Consulte os resultados das Reuniões OrdináriaExtraordinária de Plenário.


Tópicos:
Últimas Notícias

Notícias

05/03/2021

Comissão quer visitar Ocupação Vitória, em Diamantina

Direitos Humanos também aprova nesta sexta (5) audiências para debater mineração e PEC do pacto federativo.

05/03/2021

Assembleia define a composição de 21 comissões

Presidentes e vices também já foram escolhidos, mas reuniões serão suspensas por causa da pandemia.

05/03/2021

Violência obstétrica e feminicídio serão temas de audiências

Comissão também pretende discutir questões como a alienação parental e o incentivo ao aleitamento materno.

05/03/2021

ALMG abre evento pelo Dia da Mulher com relatos da pandemia

Sempre Vivas começa na segunda (8), às 10h, com programação remota sobre os desafios impostos às mulheres pela Covid-19.

08/03/2021 Politiza #28: Mulheres na Ciência - Uma conquista a cada passo
00:00:00 | Download (80477kb)

08/03/2021 Covid-19 - Agravamento da pandemia exige novo ajuste no funcionamento do Legislativo
00:00:00 | Download (2563kb)
facebook facebook
Carregando Carregando posts...
Twitter Twitter
Twitter