Perguntas FrequentesPerguntas Frequentes



CAMPANHA NAS REDES SOCIAIS

Participe!
Participe!

Engaje-se nessa ação para marcar nossos 18 anos. O PJ Minas mudou coisas na sua cidade? Mande seu relato para nossas redes sociais e para pjminas@almg.gov.br

Notícias

02/06/2021

PJ Minas inicia visitas técnicas a polos regionais

Encontros virtuais ajudam a monitorar o andamento do projeto e a propor alternativas em tempos de isolamento social.

PJ Minas 2020/2021 - 17ª edição - Meio Ambiente e Desenvolv. Sustentável

Câmaras participantes

No PJ Minas 2020/2021, teremos a parceria de 123 Câmaras Municipais distribuídas por 17 polos regionais. São 37 Câmaras ingressantes.

Houve mudança no nome de três polos regionais:

  • Alto Jequitinhonha / Mucuri agora é Alto Jequitinhonha
  • Norte agora é União Norte
  • Sul IV virou Conexão Sul

 

Cidades Participantes
  • Albertina (ingressante)
  • Alfenas 
  • Alfredo Vasconcelos 
  • Alpinópolis (ingressante)
  • Alvorada de Minas
  • Andradas
  • Araxá
  • Arcos 
  • Baependi (ingressante)
  • Bandeira do Sul (ingressante)
  • Barbacena 
  • Belo Horizonte
  • Bicas
  • Boa Esperança 
  • Bom Despacho 
  • Bonito de Minas (ingressante)
  • Botelhos 
  • Botumirim (ingressante)
  • Brazópolis 
  • Cabo Verde (ingressante)
  • Caldas
  • Cambuí 
  • Campestre (ingressante)
  • Capela Nova
  • Capelinha 
  • Caratinga 
  • Carmo do Cajuru 
  • Carmo do Rio Claro (ingressante)
  • Carvalhópolis
  • Cataguases (ingressante)
  • Chiador 
  • Conceição da Barra de Minas 
  • Conceição das Alagoas
  • Conceição do Mato Dentro
  • Conceição dos Ouros
  • Confins (ingressante)
  • Conselheiro Pena
  • Córrego do Bom Jesus
  • Datas
  • Diamantina
  • Extrema
  • Francisco Sá (ingressante)
  • Fronteira dos Vales 
  • Guanhães (ingressante)
  • Guapé
  • Guaranésia (ingressante)
  • Guaxupé
  • Imbé de Minas
  • Inhapim (ingressante)
  • Inimutaba (ingressante)
  • Itabira
  • Itajubá
  • Itanhandu
  • Itaú de Minas
  • Itaúna
  • Japaraíba 
  • Juiz de Fora
  • Juruaia (ingressante)
  • Lagoa da Prata (ingressante)
  • Leopoldina
  • Lima Duarte 
  • Limeira do Oeste
  • Machado (ingressante)
  • Mar de Espanha 
  • Maria da Fé
  • Mariana
  • Marmelópolis 
  • Matias Barbosa
  • Montalvânia  (ingressante)
  • Monte Alegre de Minas 
  • Monte Belo (ingressante)
  • Monte Sião (ingressante)
  • Montes Claros
  • Muzambinho (ingressante)
  • Nepomuceno 
  • Olaria
  • Ouro Fino
  • Pains (ingressante)
  • Pará de Minas 
  • Paraguaçu
  • Passos 
  • Paula Cândido
  • Peçanha (ingressante)
  • Pedra Azul (ingressante)
  • Piedade de Ponte Nova
  • Piedade do Rio Grande
  • Pirapora (ingressante)
  • Poço Fundo
  • Poços de Caldas
  • Ponte Nova
  • Presidente Kubitschek
  • Prata
  • Resplendor
  • Ribeirão das Neves (ingressante)
  • Rio Vermelho (ingressante)
  • Sabinópolis 
  • Santa Bárbara
  • Santa Luzia (ingressante)
  • Santa Rita de Caldas
  • Santana da Vargem 
  • Santana do Deserto 
  • Santana do Paraíso (ingressante)
  • Santos Dumont
  • São Francisco do Glória
  • São Gonçalo do Rio Abaixo
  • São João da Mata (ingressante)
  • São João da Ponte (ingressante)
  • São João do Paraíso 
  • São José da Lapa (ingressante)
  • São Lourenço
  • Senhora dos Remédios
  • Três Corações
  • Três Pontas
  • Turvolândia (ingressante)
  • Ubá 
  • Uberaba (ingressante)
  • Uberlândia
  • Urucânia
  • Varginha
  • Varzelândia (ingressante)
  • Vespasiano 
  • Viçosa
  • Visconde do Rio Branco


Câmaras parceiras (pdf)

Polos regionais (pdf) - Em negrito, a Câmara coordenadora regional

Câmaras ingressantes (pdf)

Polos Regionais

Conheça os 17 polos regionais participantes da 17ª edição do Parlamento Jovem de Minas. São 123 cidades participantes, sendo 37 ingressantes.

Polos Regionais

ALTO JEQUITINHONHA

  • Diamantina (coordenação do polo)
  • Capelinha
  • Datas
  • Fronteira dos Vales

Conexão Sul

  • Carvalhópolis (coordenação do polo)
  • Andradas
  • Conceição dos Ouros
  • Machado
  • Monte Sião
  • Ouro Fino 
  • Poço Fundo 
  • Santa Rita de Caldas
  • São João da Mata
  • Turvolândia

 MÉDIO ESPINHAÇO

  • Sabinópolis (coordenação do polo)
  • Alvorada de Minas
  • Conceição do Mato Dentro
  • Guanhães
  • Peçanha
  • Presidente Kubitschek
  • Rio Vermelho

MÉDIO PIRACICABA

  • São Gonçalo do Rio Abaixo (coordenação do polo)
  • Itabira
  • Santa Bárbara

METROPOLITANO

  • Belo Horizonte (coordenação do polo)
  • Confins
  • Inimutaba
  • São José da Lapa
  • Ribeirão das Neves
  • Santa Luzia
  • Vespasiano 

OESTE

  • Arcos (coordenação do polo)
  • Bom Despacho
  • Carmo do Cajuru 
  • Itaúna
  • Japaraíba 
  • Lagoa da Prata
  • Pains
  • Pará de Minas



 





SUDOESTE

  • Poços de Caldas (coordenação do polo)
  • Albertina
  • Alpinópolis
  • Bandeira do Sul
  • Botelhos 
  • Cabo Verde
  • Caldas
  • Campestre
  • Carmo do Rio Claro
  • Guaranésia
  • Guaxupé 
  • Itaú de Minas
  • Juruaia
  • Monte Belo
  • Muzambinho
  • Passos 

SUL I

  • Cambuí (coordenação do polo)
  • Córrego do Bom Jesus
  • Extrema

SUL II

  • Maria da Fé (coordenação do polo)
  • Baependi
  • Brazópolis
  • Itajubá
  • Itanhandu
  • Marmelópolis
  • São Lourenço

SUL III

  • Nepomuceno (coordenação do polo)
  • Alfenas
  • Boa Esperança 
  • Guapé
  • Paraguaçu
  • Santana da Vargem
  • Três Corações 
  • Três Pontas 
  • Varginha

TRIÂNGULO

  • Conceição das Alagoas (coordenação do polo)
  • Araxá
  • Limeira do Oeste
  • Monte Alegre de Minas 
  • Prata
  • Uberaba
  • Uberlândia 

 




UNIÃO NORTE

  • Montes Claros (coordenação do polo)
  • Bonito de Minas
  • Botumirim
  • Francisco Sá
  • Montalvânia
  • Pedra Azul
  • Pirapora
  • São João da Ponte
  • São João do Paraíso
  • Varzelândia

VALE DO AÇO/VALE DO RIO DOCE

  • Caratinga (coordenação do polo)
  • Conselheiro Pena
  • Imbé de Minas 
  • Inhapim
  • Resplendor
  • Santana do Paraíso

VERTENTES

  • Piedade do Rio Grande (coordenação do polo)
  • Alfredo Vasconcelos
  • Barbacena
  • Capela Nova
  • Conceição da Barra de Minas
  • Senhora dos Remédios

ZONA DA MATA I

  • Matias Barbosa (coordenação do polo)
  • Bicas
  • Cataguases
  • Chiador
  • Leopoldina
  • Mar de Espanha
  • Olaria
  • Santana do Deserto 

 ZONA DA MATA II

  • Juiz de Fora (coordenação do polo)
  • Lima Duarte
  • Santos Dumont

ZONA DA MATA III

  • Viçosa (coordenação do polo)
  • Mariana
  • Paula Cândido
  • Piedade de Ponte Nova
  • Ponte Nova
  • São Francisco do Glória
  • Ubá
  • Urucânia
  • Visconde do Rio Branco

 

 

Câmaras parceiras (pdf)

Polos regionais (pdf) - Em negrito, a Câmara coordenadora regional

Câmaras ingressantes (pdf)

Câmaras ingressantes

Em 2020/2021, na 17ª edição do Parlamento Jovem de Minas, são 123 cidades participantes, sendo 37 ingressantes.

As Câmaras ingressantes a seguir cumpriram todos os requisitos (fizeram inscrição, participaram dos Cursos de Formação Introdutória e de Coordenadores Municipais e entregaram o Termo de Adesão) e por isso se habilitaram como participantes da edição.

  • Albertina
  • Alpinópolis
  • Baependi
  • Bandeira do Sul
  • Bonito de Minas
  • Botumirim
  • Cabo Verde
  • Campestre
  • Carmo do Rio Claro
  • Cataguases
  • Confins
  • Francisco Sá
  • Guanhães
  • Guaranésia
  • Inhapim
  • Inimutaba
  • Juruaia
  • Lagoa da Prata
  • Machado
  • Montalvânia
  • Monte Belo
  • Monte Sião
  • Muzambinho
  • Pains
  • Pedra Azul
  • Peçanha
  • Pirapora
  • Ribeirão das Neves
  • Rio Vermelho
  • Santa Luzia
  • Santana do Paraíso
  • São João da Mata
  • São João da Ponte
  • São José da Lapa
  • Turvolândia
  • Uberaba
  • Varzelândia

Câmaras parceiras (pdf)

Polos regionais (pdf) - Em negrito, a Câmara coordenadora regional

Câmaras ingressantes (pdf)

 

Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável

O tema do Parlamento Jovem de Minas 2020/2021 é Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Ele foi escolhido pelos jovens do ensino médio. Saiba como foi o processo de escolha do tema.

Os subtemas definidos pela Coordenação Estadual são: Mudanças climáticas e proteção da biodiversidade; Práticas sustentáveis e desenvolvimento econômico; Recursos hídricos e saneamento básico.

O QUE VAMOS ESTUDAR?

Que tipo de planeta deixaremos às gerações futuras? O que a sociedade e os governos podem fazer, agora, para tornar o mundo um lugar melhor pra se viver? Essas indagações instigantes prometem gerar muitos debates e resultar em boas propostas sobre a temática.

Entre as questões a serem trabalhadas pelos estudantes no PJ Minas, destacam-se: efeito estufa e aquecimento global; responsabilidade ambiental empresarial; doenças causadas pela poluição ambiental; medidas de sustentabilidade e preservação do meio ambiente; combate ao desperdício; uso consciente dos recursos hídricos; boas práticas ambientais; educação ambiental; saneamento básico; agricultura sustentável; hábitos de consumo; gestão dos resíduos sólidos; reciclagem e logística reversa; ecoturismo.

Saiba mais no Texto Base 2020.

 

Subtema 1: Mudanças climáticas e proteção da biodiversidade

Em 2019, pela primeira vez, a Organização das Nações Unidas (ONU) reuniu, na Cúpula da Juventude para o Clima, mais de 600 jovens de 140 países e territórios, para pensar ações em favor do clima. O evento aconteceu em Nova Iorque (Estados Unidos), sede da entidade.

Os jovens concluíram pela necessidade de líderes políticos promoverem mudanças radicais no uso de combustíveis fósseis, rumo à energia limpa; na proteção dos oceanos; e no fomento ao consumo sustentável.

Atualmente, cinco municípios mineiros usam, de forma piloto, uma ferramenta para elaboração e implementação de políticas públicas municipais de combate a mudanças climáticas, no âmbito do Projeto Clima na Prática: Betim, Governador Valadares, Mariana, Ipatinga e Janaúba.

Saiba mais no Texto Base 2020.

 

Subtema 2: Práticas sustentáveis e desenvolvimento econômico

Empresas, corporações, governos e setores econômicos têm percebido a necessidade de adotar práticas sustentáveis de desenvolvimento econômico e conservação do meio ambiente.

Por quê?

  • "Faço porque sou obrigado"
    (a legislação ambiental impõe regras para os negócios e a produção)
  • "Faço para poder exportar"
    (importadores de soja ou carne do Brasil evitam comprar produtos vindos de áreas de desmatamento irregular na Amazônia)
  • "Faço porque dependo da minha imagem"
    (clientes e consumidores se importam com a origem dos produtos e as práticas de produção)
  • "Faço porque acredito"
    (é fato científico que o mau uso dos recursos naturais pode se voltar contra o negócio)

Entre os exemplos de práticas sustentáveis estão a proteção da biodiversidade, a gestão de resíduos sólidos e os projetos socioambientais. Saiba mais no Texto Base 2020.

Subtema 3: Recursos hídricos e saneamento básico

Minas Gerais tem grande potencial hídrico, com cinco bacias hidrográficas que drenam cerca de 90% do seu território: São Francisco, Grande, Paranaíba, Doce e Jequitinhonha. Entretanto, temos regiões, como o semiárido mineiro, que tradicionalmente vivenciam uma realidade de escassez hídrica.

Dos 36 comitês de bacias hidrográficas do Estado, apenas 12 contam com recursos de cobrança pelo uso da água. A dificuldade em estruturar os comitês se deve, em especial, pela irregularidade no repasse de verba. Os comitês são responsáveis pelo gerenciamento das águas de forma descentralizada, integrada e participativa.

O saneamento básico em Minas também apresenta muitos desafios. Cerca de 90,3% da população é atendida por abastecimento de água. Mas o esgoto coletado (91% das cidades) é tratado apenas em 31,9%.

O problema dos lixões também é comum nas cidades mineiras. Dos 853 municípios, 246 ainda destinam seus resídios em lixões e, em 467, a disposição dos resíduos fere a legislação ambiental.

Os consórcios municipais têm sido uma alternativa para viabilizar e garantir sustentabilidade na prestação dos serviços.

Saiba mais no Texto Base 2020.

ALMG Responde - Especial Barragens de Mineração

O que é uma barragem?

Barragens são estruturas construídas para armazenar algum tipo de material, que pode estar na forma líquida ou numa composição de líquidos, lamas e sólidos. Podem ter pequeno, médio ou grande porte. Exemplos de barragens: a da hidrelétrica de Itaipu; e a da mina de Córrego do Feijão, da Vale.

Vídeo da Agência Nacional de Águas (ANA) sobre segurança de barragens.

 
Por que na mineração de ferro se constroem barragens de resíduos ou rejeitos?

Muitas barragens de rejeitos foram criadas na atividade de extração do ferro que está dentro das nossas montanhas. Em Minas, são mais de 450 barragens (números de 2018). Entenda como funciona uma barragem no vídeo do MGTV, da Rede Globo.

Uma barragem de 70 metros de altura equivale aproximadamente a um prédio de 20 andares. Sua capacidade de armazenamento vai depender da largura e profundidade da barragem, mas podem ser dezenas de milhões de m3 de rejeitos e lama.

A barragem que rompeu da Vale, em Brumadinho, armazenava 12 milhões de m³ de lama e tinha 87 metros de altura; e a da Samarco, em Mariana, 55 milhões de m³ e 108 metros de altura.

Muitos consideram as barragens de resíduos ou rejeitos de mineração perigosas. Por quê?

A barragem de mineração a montante é mais barata de fazer, mas também mais instável. Por isso, esse tipo de tecnologia já foi abolida em outros países que têm barragens. Vídeo do History Channel mostra como é construída uma barragem a montante.

Em 2017, existiam no Brasil 24 mil barragens, sendo 790 de contenção de rejeitos de mineração. Pelo menos 88 destas foram construídas no método a montante, entre as quais as barragens de Mariana, da Samarco, e de Brumadinho, da Vale, que se romperam em 2015 e em 2019, respectivamente.

Como é a barragem a montante (menos segura)?

Na barragem a montante, o dique (também chamado de barramento ou talude) cresce por cima dos próprios rejeitos e para dentro da barragem à medida que ela é enchida. Na verdade, o dique é construído com os próprios rejeitos mais secos, o que reduz bastante o custo da barragem, além de ele não ocupar área adicional fora do corpo da barragem.

Mas construir o dique sobre e com os rejeitos também exige que esse tipo de barragem seja muito bem monitorada. É preciso verificar constantemente o estado de compactação dos rejeitos (se estão fofos) e a presença de volumes maiores de água próximo ao dique. Se isso acontecer, a água começa a penetrar no dique, ele vai ficando frágil, não resiste à pressão interna e acaba por se romper. Foi isso que as investigações sobre os rompimentos da Barragem de Fundão (Samarco) e da Barragem I (Vale S.A.) indicaram que ocorreu no caso das duas tragédias.

Como é a barragem a jusante (mais segura)?

Na barragem a jusante, o dique cresce para fora dela, formando uma pirâmide de base larga, grande e muito resistente. Na construção do dique, pode ser utilizada uma mistura de rochas, de argilas e do mesmo rejeito arenoso contido na barragem. Porém, o rejeito precisa passar por um processo de compactação bem maior do que na barragem a montante.

Esse cuidado, somado à construção do dique com formato piramidal – que não se apoia sobre rejeitos fofos –, aumenta consideravelmente a segurança. Esse método eleva o custo da construção, pois é necessário usar maior quantidade de matéria-prima, acrescida de material de qualidade (rochas, argilas). Além disso, o dique ocupa uma área maior da mina, pois cresce, como já dissemos, para fora do corpo da barragem.

Há outros métodos de construção de barragens de mineração?

Há, ainda, um terceiro método de construção de barragem de rejeitos chamado de linha de centro. Mas a maioria dos geólogos considera o método a jusante o mais seguro, por formar um dique de base larga, grande e resistente e utilizar materiais de melhor qualidade, associados ou não a rejeitos mais compactados, na sua construção.

Consulte quais são os tipos de barragens no site da BBC Brasil.

Será que só dá para armazenar rejeito de mineração em barragens?

Depois do rompimento da Barragem de Fundão, da Samarco, em Mariana, foi criada na Assembleia de Minas, em novembro de 2015, a Comissão Extraordinária das Barragens, que tinha o objetivo de estudar, em linhas gerais, as causas e as consequências desse desastre e propor medidas para evitar novas tragédias.

Dentre as atividades dessa comissão, uma visita técnica à Ferro+ Mineração, situada entre Congonhas e Ouro Preto, na rodovia BR 040, foi muito relevante. O rejeito produzido nessa mina quase não tem água e, em vez de ser armazenado em barragens, ele é empilhado a céu aberto, onde acaba de secar. Quando a pilha está completa, ela recebe uma camada de vegetação e se integra à paisagem, como um morro qualquer.

É possível usar esse resíduo ou rejeito de mineração para fazer outras coisas?

Não seria melhor para todo mundo e para o meio ambiente, se déssemos novos usos aos rejeitos da mineração, em vez de construir barragens que são um risco permanente? Dá para fazer tijolos, pavimentos e muitas outras coisas com esse material. Reportagem do programa Balanço Geral, da Rede Record, mostra novos usos para os rejeitos da mineração.

O que a Assembleia de Minas já fez para ajudar a resolver o problema das barragens?

A Comissão Extraordinária das Barragens trouxe, nas suas conclusões, dezenas de propostas para diversos órgãos públicos estaduais e federais, entidades que representam as empresas e para as próprias empresas.

Essa comissão apresentou dois projetos, já transformados em leis:

* Lei 23.291, de 2019, que institui a Política Estadual de Segurança de Barragens. Essa lei proibiu a construção de barragens a montante, determinou que as existentes fossem desfeitas e impôs uma série de restrições para a construção de qualquer tipo de barragem de rejeitos de mineração. Entenda a Lei 23.291.

* Lei 22.796, de 2017, que obriga a destinação do total de recursos arrecadados com a Taxa de Fiscalização de Recursos Minerários (TFRM) aos órgãos do Estado que integram o Sisema.

Apenas em 2018, segundo dados orçamentários, a TFRM resultou na arrecadação de R$ 216,3 milhões. É um valor que, se tivesse sido integralmente investido na área ambiental, poderia ter feito a diferença na fiscalização das barragens de rejeitos que se espalham pelo Estado. No entanto, dados da execução orçamentária do Estado indicam que, em 2018, apenas cerca de 40% do montante arrecadado chegou aos órgãos do Sisema.

Com a Lei 22.796, a Assembleia também procurou incentivar a adoção de tecnologias alternativas às barragens de rejeitos de minério, tais como o chamado “empilhamento a seco”. Isso foi feito autorizando o Poder Executivo a conceder desconto de até 70% da TFRM às empresas que adotarem essas tecnologias alternativas, seja para armazenamento dos resíduos ou seu aproveitamento econômico.

Após o rompimento da Barragem I, da Vale, em Brumadinho, o que a Assembleia de Minas fez?

A Assembleia entendeu que a resposta tinha que ser mais dura, já que a tragédia foi gigantesca. Criou, então, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) de Brumadinho, que teve poderes de investigação próprios das autoridades judiciais, pois havia claros indícios de prática de negligência e, talvez, até de crimes.

Ao final, a CPI pediu às autoridades policiais e ao Ministério Público o indiciamento, por prática de crime, de 11 funcionários da Vale, inclusive seu presidente à época, além de dois empregados da consultoria Tüv Süd, responsável pelas auditorias que atestaram a segurança da barragem que acabou ruindo, e da própria Vale S.A. Neste último caso, o indiciamento foi pedido com base na lei de crimes ambientais (Lei Federal 9.605, de 1998), que permite criminalizar empresas.

A CPI também fez outras 150 recomendações a órgãos públicos, entidades e empresas. Para acompanhar e cobrar dos órgãos a implementação dessas recomendações, a Assembleia criou o Grupo de Trabalho da Barragem de Brumadinho, composto pelos mesmos deputados que participaram da CPI.

Conheça o relatório da CPI de Brumadinho.

(Esse material fo produzido pelo servidor da ALMG Rodrigo Baeta, consultor da Área de Meio Ambiente, da Comissão Extraordinária das Barragens e da CPI da Barragem de Brumadinho).

Vídeos da TV Assembleia e Podcast Politiza

TV Assembleia tem vários vídeos que abordam a temática do Meio ambiente e desenvolvimento sustentável, tema do PJ Minas 2020.

Destaques:

MINERAÇÃO

QUEIMADAS

SANEAMENTO BÁSICO

 Panorama - Uso de agrotóxicos

 
PODCAST POLITIZA

A Rádio Assembleia lançou, em 2020, o podcast Politiza, que tem como slogan "Tudo é política, mesmo quando parece que não é".

O episódio de estreia da série aborda a tragédida de Brumadinho. São 5 podcasts: "25 de janeiro de 2019", "Antes da tragédia", "Os acusados", "Reparação" e "Futuro da mineração".

ETAPA PERÍODO DESCRIÇÃO
Preparação A definir É definido o tema da próxima edição. Representantes responsáveis pelo projeto nas Câmaras ingressantes fazem sua formação. Em data posterior, todos os coordenadores dos municípios parceiros participam do Curso de Coordenadores Municipais.
Implantação A definir Câmaras assinam Termo de Adesão ao PJ Minas, elaboram o planejamento das atividades nos municípios, definem quais serão as escolas participantes, mobilizam monitores e demais parceiros, como instituições de educação superior. Lançamento oficial do projeto.
Etapa Municipal A definir Câmaras mobilizam os monitores e os estudantes do ensino médio das escolas escolhidas, que participam de um programa de formação. Os estudantes realizam a Plenária Municipal, onde discutem e votam um documento de propostas sobre o tema da edição, a ser encaminhado à Câmara. Algumas propostas são priorizadas e encaminhadas ao polo regional.
Etapa Regional A definir Em cada polo regional, estudantes discutem, elaboram e votam a priorização de propostas que comporão um documento consolidado do polo, a ser encaminhado à Coordenação Estadual.
Etapa Estadual A definir A Coordenação Estadual recebe os documentos de propostas dos polos. As propostas são consolidadas e divulgadas em um documento único, para estudos e debates pelos estudantes. Após os estudos feitos em cada município, os representantes eleitos por seus pares discutem as propostas e elaboram um documento a ser encaminhado à Comissão de Participação Popular da ALMG. O objetivo é propor soluções e encaminhamentos ao Legislativo sobre o tema da edição.

*As datas do Calendário de Atividades da Edição 2020/2021 são validadas pelos coordenadores.


CURSO PERÍODO DE REALIZAÇÃO DESCRIÇÃO INSCRIÇÃO
É você que faz política
Veja exposição on-line
14/5 a 20/8/2021 Refletir sobre o termo política, sua função na organização da sociedade e o papel de cada cidadão no exercício político cotidiano. 14/5 a 17/8/2021
Plataforma de educação a distância
Linguagem e Parlamento: produção textual oral e escrita 10/5 a 19/8/2021 Desenvolver a oralidade para a discussão de propostas nas plenárias do Parlamento Jovem de Minas. Redigir propostas para o Legislativo com clareza, coesão e objetividade. 10/5 a 13/8/2021
Plataforma de educação a distância

O Programa de Formação On-line tem como público preferencial coordenadores, monitores e estudantes do ensino médio do PJ Minas, porém é aberto a qualquer interessado que queira participar.

Para participar dos estudos e debates, é preciso acessar a plataforma de Educação a Distância (EaD) da Escola do Legislativo da Assembleia de Minas.

  • Usuário já cadastrado na plataforma EaD: ir à página principal do curso desejado, onde está o link para a inscrição.
  • Usuário sem cadastro na plataforma EaD: cadastrar-se na tela principal da plataforma para, então, se inscrever no curso desejado.

Plataforma de Educação a Distância


Vamos falar sobre...Parlamento Jovem de Minas - Volume 1 - Educação em Rede
(Publicação elaborada pela Escola do Legislativo da Assembleia de Minas, coordenadora estadual do PJ Minas).

Vamos falar sobre...Parlamento Jovem de Minas - Volume 2 - Metodologias ativas para a educação política de jovens
(Publicação elaborada por Alexandre Teixeira e Júnia Ferreira, da PUC Minas).


Câmaras e polos

Termo de Adesão 2021
  • Termo de Adesão 2021
    Documento a ser entregue pelas Câmaras à Coordenação Estadual (pelo correio ou email pjminas@almg.gov.br). É preciso ter a assinatura do presidente da Câmara, com seu carimbo ou com o carimbo da instituição. Aviso: As Câmaras Municipais veteranas poderão entregar novamente o Termo de Adesão ao PJ Minas 2020/2021, com a assinatura dos atuais presidentes, ou manter, junto à Coordenação Estadual, os documentos já entregues em 2020.


Regulamento - PJ Minas 2021

Texto base (edição 2020) e consolidado da legislação ambiental - PJ Minas 2020

Glossários do PJ Minas
  • Glossário de Termos do PJ Minas
    26 verbetes que explicam as etapas, as plenárias, os diversos tipos de documentos da edição e os termos usados nas plenárias do projeto.


O Kit de Comunicação é um conjunto de peças e documentos reunidos pelos profissionais de comunicação da ALMG com o objetivo de facilitar para as Câmaras Municipais o trabalho de divulgação, mobilização e relacionamento com os públicos do PJ Minas.

Consulte também:

 

Divulgação/Mobilização
Vídeos produzidos pela Área de Comunicação da ALMG em parceria com a Coordenação Estadual do PJ Minas

Publicados no YouTube:

PJ Minas faz 18 anos em 2021 - Vem fazer parte do nosso projeto!

Mobilização PJ Minas 2020/2021 - Bora debater sobre o meio ambiente

Vem para o PJ Minas em 2021!


Publicado no Portal da Assembleia de Minas:

Vídeo institucional do PJ Minas (produzido em 2020)

Divulgação/Mobilização
Spots (comercial ou anúncio com duração breve) para rádios produzidos pela Rádio Assembleia

Anima aí! Tem Parlamento Jovem em ação!

Dilemas globais do meio ambiente estão em debate no PJ 2020/2021


Modelo de release (texto informativo para a imprensa)
  • Modelo de release sobre o PJ Minas
    (Texto informativo que tem como público-alvo a imprensa, com sugestões de adaptação para contemplar a realidade local e regional).


Divulgação/Mobilização - Peças para materiais gráficos (JPGs - resolução para web)

Divulgação/Mobilização - Peças para materiais gráficos (PDFs - resolução para impressão)

Folder sobre o PJ Minas e Cartilha sobre o Facebook



Notícias

02/06/2021

PJ Minas inicia visitas técnicas a polos regionais

Encontros virtuais ajudam a monitorar o andamento do projeto e a propor alternativas em tempos de isolamento social.

24/05/2021

Participantes do PJ Minas já podem se inscrever em cursos

Atividades Linguagem e Parlamento e É você que faz política podem ser acessadas pela plataforma de ensino a distância.

07/05/2021

PJ Minas é uma ferramenta para a transformação social

Projeto de educação para a cidadania da ALMG foi lançado, em solenidade virtual, na manhã desta sexta-feira (7).


Vídeos

07/05/2021

Parlamento Jovem 2021 é lançado virtualmente

O Parlamento Jovem 2021 foi lançado em um evento virtual na manhã desta sexta-feira com a participação de parlamentares,...

00:02:55 | (40637kb)

30/04/2021

Jovens pela preservação do meio ambiente

O Parlamento Jovem completa 18 anos! Em 2021, os estudantes do ensino médio vão discutir o tema Meio Ambiente e Desenvol...

00:00:59 | (3673kb)

30/04/2021

Parlamento Jovem: Venha Participar

O Parlamento Jovem completa 18 anos! Em 2021, os estudantes do ensino médio vão discutir o tema Meio Ambiente e Desenvol...

00:00:39 | (2115kb)


Áudios

21/06/2021 07:20

Parlamento Jovem - Cursos ensinam técnica de linguagem e o que é política

As aulas são abertas a participantes do projeto de educação para a cidadania e ao público em geral.

00:02:50 | Download (5328kb)

24/03/2021 06:00

Dilemas globais no meio ambiente estão em debate PJ 2021

A Câmara Municipal de sua cidade pode ajudar você a se inscrever no Parlamento Jovem.

00:00:45 | Download (709kb)

22/03/2021 13:59

Anima aí! Tem Parlamento Jovem em ação!

Você é estudante e gosta de participar da construção de uma sociedade melhor? Saiba como ser um integrante do PJ 2021.

00:00:46 | Download (734kb)

 

 

ALMG nas redes sociais