DEPUTADO MAURO TRAMONTE (REPUBLICANOS)

Questão de Ordem

Critica as más condições de uso e falta de manutenção nos veículos que operam o transporte público do Município de Belo Horizonte. Questiona a cobrança de alta tarifa tendo como contrapartida um serviço precário.
Reunião 7ª reunião ORDINÁRIA
Legislatura 19ª legislatura, 2ª seção legislativa ORDINÁRIA
Publicação Diário do Legislativo em 05/03/2020
Página 62, Coluna 1
Assunto TRANSPORTE E TRÂNSITO.

7ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA 2ª SESSÃO LEGISLATIVA ORDINÁRIA DA 19ª LEGISLATURA, EM 3/3/2020

Palavras do deputado Mauro Tramonte

O deputado Mauro Tramonte – Sr. Presidente, rapidinho. Só para deixar registrado, quero manifestar aqui o nosso posicionamento referente ao que passa o cidadão, a cidadã no transporte público aqui, em Belo Horizonte, e região metropolitana. É muito triste presenciarmos cenas, vídeos sendo mostrados pelas redes de televisões e também em redes sociais de crianças, mulheres tendo de sentar dentro de ônibus com guarda-chuva aberto e, do mesmo jeito, dentro do metrô, como aconteceu. Chuva dentro do metrô com vagão impossibilitado de seguir viagem porque chovia mais dentro do que fora. Como deputados, temos de cobrar dessas empresas e também dos órgãos fiscalizadores uma postura mais severa quanto a isso. Ninguém aguenta mais pagar esse preço que se paga no transporte público e ter verdadeiras carroças andando por aí. Metrô. Sábado agora tivemos mais um aumento – passou a R$4,50. Quem aguenta isso aqui? Metrô, não; é trem sobre trilho que temos aqui. Ninguém aguenta isso, Sr. Presidente. Pagando R$4,50, deveríamos ter um trem maravilhoso para andar. No país de Luxemburgo, agora, baixaram uma norma: não se cobra mais o transporte público, é gratuito. Quem dera o Brasil conseguisse isso. Nós vamos continuar cobrando. Estamos aí comunicando às agências regulatórias, às agências fiscalizadoras, tanto para o transporte público de ônibus como também de trens urbanos, que nós temos aqui. É um absurdo! As pessoas não podem pagar o que pagam, Sr. Presidente, e ter um transporte ridículo como têm – ônibus cheio d'água, pessoas tendo que abrir sombrinha e guarda-chuva dentro de ônibus, porque chovia mais dentro do que fora, e, do mesmo jeito, dentro de vagões do metrô. Não podemos aceitar, por isso estamos aqui fazendo vários requerimentos, justamente para a fiscalização ser mais rígida quanto a isso. Chega! O povo paga caro para andar mal. É só isso, Sr. Presidente. Muito obrigado.