Notícias Rss

Ônibus sem cobradores trariam transtornos em BH
Ausência de cobradores revolta motoristas e passageiros de ônibus
Seu browser não suporta flash player
A medida, que deveria valer apenas para BRTs e em horários específicos de ônibus, também tem causado a sobrecarga de trabalho para o condutor do veículo
A medida, que deveria valer apenas para BRTs e em horários específicos de ônibus, também tem causado a sobrecarga de trabalho para o condutor do veículo - Foto: Ricardo Barbosa
Jaderis defendeu nova licitação para transporte público em BH
Jaderis defendeu nova licitação para transporte público em BH - Foto: Ricardo Barbosa
Para o ouvidor do DER, há desvios na aplicação do que prevê norma municipal
Para o ouvidor do DER, há desvios na aplicação do que prevê norma municipal - Foto: Ricardo Barbosa
13/12/2018 12h43 - Atualizado em 13/12/2018 13h58

Falta de cobradores em ônibus é desrespeito à legislação

Profissionais também não teriam sido reaproveitados em outras atividades, como previsto em lei.

Compartilhe:
Twitter Facebook
Email Versão para impressão

Para o ex-motorista de ônibus Jaderis Araújo, demitido em 2016, não é possível, do banco do condutor, ver todo o veículo, o que aumenta, por exemplo, os riscos de arrancar o carro antes de todos os passageiros terem embarcado ou desembarcado. As questões de segurança na direção, que ficam prejudicadas quando o motorista precisa dividir a atenção com outras funções, foram abordadas por ele.

Jaderis, que atualmente preside a Associação dos Trabalhadores em Transporte Coletivo e Suplementar de BH e Região, participou de audiência pública da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), na manhã desta quinta-feira (13/12/18), para tratar da falta de cobradores e a sobrecarga de trabalho dos motoristas em ônibus que circulam na Capital.

“Infrações continuadas são passíveis de cassação de contrato. Então, por que até agora ninguém pediu essa cassação para fazermos novas licitações para o transporte público em Belo Horizonte?”, questionou.

A líder do movimento "Sem Cobrador Não Dá", Cleisiane Olímpio da Silva, também falou da importância do agente de bordo, que auxilia o condutor em várias funções. Sua retirada, segundo ela, afeta o conforto e a segurança dos usuários, além de aumentar o tempo das viagens.

Outra denúncia feita por Cleisiane é que, ao contrário do que determina a legislação, os cobradores que tiveram suas funções extintas não foram reaproveitados em outras atividades nas empresas que têm a concessão dos transportes. Ela, que atuou como agente de bordo, foi uma das demitidas.

De acordo com Jaderis Araúo, também foram dispensados os chamados despachantes, profissionais que atuavam nos pontos de controle das linhas, na fiscalização e coordenação dos fluxos, além dos cuidados com os locais utilizados pelos funcionários para uso do banheiro, por exemplo.

Desrespeito à lei - As denúncias apresentadas são de que as concessionárias de transporte coletivo estariam fazendo mau uso da Lei Municipal 10.526, de 2012, que possibilita a circulação em Belo Horizonte de ônibus sem agentes de bordo nos casos do BRT ou em outros ônibus nos horários noturnos ou em fins de semana e feriados.

Para o ouvidor do Departamento Estadual de Rodagens (DER), Francisco de Assis Maciel, a norma foi feita para atender às especificidades do BRT, que tem características de metrô, no sentido de que, por exemplo, a tarifa é cobrada nos terminais e não dentro dos veículos. Assim, utilizar a regra para os demais ônibus seria um desvio.

Francisco Maciel destacou, ainda, que um acordo com os sindicatos possibilitou que as empresas considerassem, para a retirada dos cobradores, um horário noturno estendido, que começa com o entardecer e vai até o sol raiar – ou seja, inclui horários de pico na demanda por transporte coletivo. Segundo ele e outros dos presentes, há ainda a dispensa de agentes de bordo mesmo em horários diurnos, o que seria também uma desobediência à legislação vigente.

Projetos - O deputado Cristiano Silveira (PT), presidente da comissão, manifestou apoio à causa e citou projetos de lei que tramitam na Câmara Federal desde o fim da década de 1980 para regulamentar o trabalho de motoristas e cobradores no transporte público.

Segundo o parlamentar, há muito lobby das empresas para impedir a discussão do assunto e uma das medidas a serem tomadas é solicitar apoio aos deputados federais mineiros para garantir que as propostas avancem em suas tramitações. Cristiano Silveira também disse que, se preciso, serão tomadas medidas judiciais.

Cristiano Silveira citou ainda decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) que explicita as diferenças entre as atividades de motoristas e cobradores, de forma que as duas atividades não poderiam ser realizadas pelo mesmo profissional.

Serviço é terceirizado, mas precisa atender aos interesses públicos

Os presentes destacaram que os salários dos agentes de bordo fazem parte dos cálculos de custos das passagens e que não houve redução desses valores para os usuários.

“Sem mobilidade não se acessa nenhum direito: estudo, lazer, trabalho, nada. E essa mobilidade tem sido tratada só como um mercado. Aliás, um mercado muito lucrativo, já que o consumidor é cativo e todo o ritmo do serviço é decidido apenas pela empresa”, disse Francisco Maciel.

O convidado afirmou que a Câmara Municipal e a Prefeitura de BH não têm aberto espaço para debater as questões relativas à auditoria dessas empresas. “A ausência, nesta audiência, de representantes das empresas e dos órgãos municipais que deveriam fiscalizá-las é simbólica”, disse.

O deputado Cristiano Silveira lembrou que o transporte público é uma obrigação do poder público e, ao terceirizar o serviço, o interesse público precisa ser mantido entre as prioridades.

Outros municípios – O vereador de Pará de Minas (Centro-Oeste) Marcão (PMDB) esteve na audiência para denunciar que em seu município o mesmo problema tem sido registrado. Segundo ele, apenas uma empresa presta o serviço na cidade e a tarifa por quilômetro rodado é uma das mais caras de Minas Gerais. “É uma cidade de 92 mil habitantes, as pessoas andam 5, 10 minutos de ônibus e pagam R$ 3,20 pelo serviço”, aponta.

O deputado Elismar Prado (Pros) também esteve presente na audiência e disse que outros municípios passam pelo problema, como, segundo ele, Uberlândia (Triângulo Mineiro).

Consulte o resultado da reunião.


Tópicos:
Últimas Notícias

Notícias

24/05/2019

Revogar Lei Kandir ajudaria Minas a sair da crise

Participantes de audiência defendem medidas como pagamento das perdas com a lei e aumento do imposto sobre heranças.

24/05/2019

Retomada da mineração leva comissões à Serra da Piedade

Parlamentares serão recebidos pela AVG Mineração para discutir as atividades de extração na região.

24/05/2019

Assembleia vai comemorar os 71 anos de Israel

Apoio oferecido pelo Estado judaico na busca às vítimas em Brumadinho também será lembrado em solenidade no Plenário.

24/05/2019

Comissão discute problemas no sistema socioeducativo

Além de deficit de pessoal, direito dado por lei ao porte de arma não estaria sendo garantido.

25/05/2019 Edição da Semana
Seu browser não suporta flash player
00:05:38 | Download (5288kb)

24/05/2019 Projeto de Lei Complementar pode reverter Lei Kandir
Seu browser não suporta flash player
00:04:15 | Download (3988kb)
facebook facebook
Carregando Carregando posts...
Twitter Twitter
Twitter