Notícias Rss

José Gregori, ativista na área de direitos humanos, foi ministro do governo Fernando Henrique Cardoso
José Gregori, ativista na área de direitos humanos, foi ministro do governo Fernando Henrique Cardoso - Foto:Ricardo Barbosa
26/05/2017 10h51

Memória & Poder estreia programa com José Gregori

Jurista e político paulista pioneiro na defesa dos direitos humanos é o entrevistado do programa da TV ALMG.

“A política ainda não comprou a ideia dos direitos humanos. Por analogia, a sociedade também não”. A afirmação é de um dos pioneiros na defesa dos direitos humanos no Brasil, o jurista e político paulista José Gregori. Ele é o entrevistado do próximo Memória & Poder, que estreia neste sábado (27/5/17), às 20 horas, na TV Assembleia.

Confira a sintonia da TV Assembleia na sua cidade.
Veja outros vídeos do programa Memória & Poder.

Aos 86 anos e ainda atuante no cenário político brasileiro, Gregori foi ministro da Justiça no governo Fernando Henrique Cardoso e Secretário Nacional de Direitos Humanos.

Apesar de reconhecer avanços, sobretudo nas políticas em defesa das crianças, mulheres e idosos, ele vê o País dando os primeiros passos em um longo caminho de combate ao racismo, à intolerância de gênero e à desigualdade econômica.

“Mas ouso pensar que a contabilidade que se faz em matéria de direitos humanos é uma pouco mais elástica do que nos outros temas. Porque as dificuldades são maiores e porque temos de mexer com as pessoas. E não do ponto de vista de atitude apenas, mas de sentimento. É preciso fazê-las sentir que o fato de respeitar o outro não é uma exigência da lei, mas algo que a nossa natureza deve reconhecer”, afirma.

Jurista atuou em favor de desaparecidos políticos

Gregori foi uma figura atuante na defesa dos direitos dos presos políticos durante o regime militar. Por uma década (1972-82), foi presidente da Comissão de Justiça e Paz, fundada pelo arcebispo de São Paulo Dom Paulo Evaristo Arns, e considerada um refúgio aos que se opunham à ditadura.

Anos depois, fez parte da Comissão da Verdade e foi co-autor da Lei dos Desaparecidos Políticos. “Esta lei é o meu cartão de visitas. Mexemos em um assunto que era tabu, sem sentimento de revanchismo ou vingança. Apenas para reparar injustiças cometidas pelo Estado brasileiro”.

No programa, Gregori recorda a experiência de ter vivenciado momentos importantes da História brasileira, como o suicídio de Getúlio Vargas - do qual era oposicionista: “Ao ver a comoção que a morte do presidente causou nas camadas mais populares, percebi que errei a pontaria, lutei do lado contrário ao povo”, avalia.

Ele aborda, ainda, a noite do Golpe de 1964, a qual passou em pleno Palácio das Laranjeiras, residência do presidente João Goulart. “Era a sede de um governo em desmoronamento. De forma que o golpe veio sem que se esboçasse reação”, testemunha.

Reprises - Esta edição do programa será reprisada no domingo (28), às 15h30; na segunda-feira (29), à meia-noite; e na terça-feira (31), às 21 horas.


Tópicos:
Últimas Notícias

Notícias

05/03/2021

Comissão quer visitar Ocupação Vitória, em Diamantina

Direitos Humanos também aprova nesta sexta (5) audiências para debater mineração e PEC do pacto federativo.

05/03/2021

Assembleia define a composição de 21 comissões

Presidentes e vices também já foram escolhidos, mas reuniões serão suspensas por causa da pandemia.

05/03/2021

Violência obstétrica e feminicídio serão temas de audiências

Comissão também pretende discutir questões como a alienação parental e o incentivo ao aleitamento materno.

05/03/2021

ALMG abre evento pelo Dia da Mulher com relatos da pandemia

Sempre Vivas começa na segunda (8), às 10h, com programação remota sobre os desafios impostos às mulheres pela Covid-19.

08/03/2021 Politiza #28: Mulheres na Ciência - Uma conquista a cada passo
00:00:00 | Download (80477kb)

08/03/2021 Covid-19 - Agravamento da pandemia exige novo ajuste no funcionamento do Legislativo
00:00:00 | Download (2563kb)
facebook facebook
Carregando Carregando posts...
Twitter Twitter
Twitter