Notícias Rss




A deputada Rosângela Reis (à direita) representará Minas Gerais na vice-presidência da Cipe Rio Doce
A deputada Rosângela Reis (à direita) representará Minas Gerais na vice-presidência da Cipe Rio Doce - Foto: Tonico/ALES
Seu browser não suporta flash player
Deputada mineira é eleita vice-presidente da Cipe Rio Doce
17/05/2017 18h24
Tragédia em Mariana

Tragédia de Mariana é lembrada em eleição na Cipe Rio Doce

Comissão, que reúne deputados de Minas e Espírito Santo, elege um capixaba para presidente e uma mineira para vice.

Compartilhe:
Twitter Facebook
Email Versão para impressão

Os impactos ainda hoje sentidos do rompimento da barragem de rejeitos da Samarco em Mariana (Região Central do Estado) foram lembrados durante a eleição do presidente e da vice-presidente da Comissão Interestadual Parlamentar de Estudos para o Desenvolvimento Sustentável da Bacia do Rio Doce (Cipe Rio Doce), nesta terça-feira (17/5/17), na Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales), em Vitória.

A Cipe, que foi presidida pela deputada mineira Celise Laviola (PMDB) nos últimos dois anos, terá à frente, no próximo biênio, o deputado capixaba Dary Pagung (PRP). A deputada Rosângela Reis (Pros) representará Minas Gerais na vice-presidência.

A Cipe Rio Doce é formada por parlamentares de cada um dos dois Estados e tem a finalidade de promover atividades de estudos e mobilização social para ações de recuperação ambiental. A cada dois anos a presidência é alternada entre Minas e Espírito Santo.

A deputada Celise Laviola presidiu a eleição e lembrou a importância da Cipe para o Rio Doce. “Sabemos que os trabalhos da comissão podem ser o caminho para a recuperação das condições de vida do nosso rio”, afirmou.

Ela também exaltou o trabalho da Comissão Extraordinária das Barragens da ALMG, que teve por objetivo acompanhar as consequências sociais, ambientais e econômicas da atividade minerária no Estado, em razão do rompimento da barragem de Fundão, ocorrido em novembro de 2015.

A parlamentar citou os projetos de lei (PLs) 3.676 e 3.677/16, que foram fruto desse trabalho. O primeiro traz regras sobre o licenciamento ambiental e a fiscalização das barragens de rejeitos; e o outro garante destinação de recursos de tributos da atividade para órgãos ambientais do Estado.

A deputada Rosângela Reis lamentou que ainda não foram alocados recursos para garantir a subsistência de moradores ribeirinhos, que foram atingidos pela tragédia de Mariana. Ela lembrou que muitas comunidades prejudicadas pelo vazamento de rejeitos de minério ainda enfrentam problemas de escassez de água. “Ainda não temos nada dirigido à recuperação dos danos. O Rio Doce está na UTI”, alertou.


Tópicos:
Últimas Notícias

Notícias

18/08/2017

ALMG terá novo espaço para a participação popular

Na inauguração do Auditório José Alencar, será lançada a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional.

18/08/2017

Lideranças assinam carta aberta contra leilão de usinas

Movimento reivindica do Governo Federal a manutenção das hidreléttricas de São Simão, Jaguara e Miranda com a Cemig.

18/08/2017

Cotas raciais na Fundação João Pinheiro motivam debate

Audiência da Comissão de Administração Pública terá como foco política inclusiva proposta por parlamentar.

18/08/2017

Assembleia discute iniciativa da ONU para mulheres

Comissão Extraordinária das Mulheres receberá representante do Escritório da ONU Mulheres no Brasil.

19/08/2017 Edição da Semana
Seu browser não suporta flash player
00:05:37 | Download (5269kb)

18/08/2017 Estrutura precária restringe atuação dos conselhos tutelares
Seu browser não suporta flash player
00:03:14 | Download (3045kb)
facebook facebook
Carregando Carregando posts...
Twitter Twitter
Twitter