Manifestantes protestam no Dia Internacional da Mulher

Movimentos sociais condenam a reforma da previdência proposta pelo Governo Federal.

08/03/2017 - 16:17

A Mobilização para o Dia Internacional de Luta das Mulheres em Belo Horizonte se somou a um ato promovido pelo Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação (Sind-UTE) na tarde desta quarta-feira (8/3/17) na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). Reunidos ao redor da Tribuna Popular, os manifestantes protestaram contra a reforma da previdência (Proposta de Emenda à Constituição Federal 287/16, em tramitação na Câmara dos Deputados).

A cessão de espaço para a realização do evento foi solicitada pelo deputado Rogério Correia (PT). Desde segunda-feira (6), participantes da Marcha Mundial das Mulheres, da Frente Brasil Popular e de mais de 20 organizações estão acampadas no Espaço Democrático José Aparecido de Oliveira da ALMG.

Para a coordenadora do Sind-UTE, Beatriz Cerqueira, a reforma da previdência penaliza mulheres e ataca direitos históricos da classe trabalhadora. “Por isso, vamos fazer uma greve nacional a partir do dia 15, que durará o tempo que for necessário. Aqui em Minas, exigimos que o governador Fernando Pimentel cumpra o que foi acordado com os trabalhadores da educação”, afirmou.

Dentre as demandas do sindicato, estão o reajuste de 7,64% do piso salarial dos servidores da educação; o pagamento do Adicional de Valorização da Educação Básica (Adveb), no valor de 5%; e o retorno das promoções e progressões na carreira.

Os participantes da manifestação seguem, ainda na tarde desta quarta-feira (8), para a Praça da Liberdade, onde se unem a outras entidades de defesa dos direitos das mulheres para um ato unificado em Belo Horizonte.