Sargento Rodrigues disse que está sendo articulado em MG movimento semelhante ao do ES
João Leite criticou a superlotação das penitenciárias mineiras
André Quintão defendeu políticas humanizadoras e penas alternativas para alguns presos

Oradores - Reunião Ordinária de Plenário de 9/2/17

Segurança pública é tema de manifestações de deputados na tribuna.

09/02/2017 - 17:24

Segurança I
O deputado Sargento Rodrigues (PDT) afirmou que esposas de policiais e bombeiros militares de Minas estão articulando um movimento semelhante ao que ocorre atualmente no Espírito Santo. Ele advertiu para o risco da mobilização chegar às ruas da Capital mineira. “Pimentel já pode pensar uma forma de negociar”, sugeriu. De acordo com o parlamentar, a corporação está insatisfeita com o parcelamento dos salários, implantado desde janeiro de 2015, e com a falta de reposição salarial da inflação nos últimos três anos. Sargento Rodrigues manifestou seu apoio à greve dos policiais militares do estado vizinho e criticou jornalistas que estariam considerando-os “terroristas”. “Terror é o que os estados fazem com os pobres policiais que vão para a rua defender a sociedade com a própria vida”. Ele voltou a criticar a medida do governo de liberar presos provisórios com tornozeleiras eletrônicas, para abrir vagas no sistema carcerário.

 

Segurança II
O deputado João Leite (PSDB) repercutiu o discurso de Sargento Rodrigues e disse estar preocupado com a situação de Minas. Ele acredita que os policiais militares estão perdendo conquistas que alcançaram nos governos anteriores do PSDB, citando o crescimento do piso salarial e a progressão de carreira. O deputado afirmou que Pimentel também acabou com o programa de aquisição de casa própria para os militares. “O governador tem que chamar as lideranças”, disse ele sobre o risco anunciado pelo colega para uma paralisação da categoria. João Leite também criticou a superlotação das penitenciárias e acusou o governo de abandonar o sistema com a falta de gestão. O parlamentar relatou que nos últimos dois anos não foram abertas vagas no sistema penitenciário. Em aparte, Sargento Rodrigues completou que há dois anos o Estado não paga ajuda de custo, férias-prêmio e diárias para os policiais, o que amplia a insatisfação da categoria.

 

Segurança III
O deputado André Quintão (PT) defendeu um “debate mais aprofundado e uma visão mais integral” sobre a segurança pública, de forma a manter o foco em resultados para a população, sobretudo os mais pobres. Para ele, é preciso investir na garantia de direitos fundamentais, em justiça social, na universalização de políticas públicas para se obter a paz. “Não podemos enxugar gelo. Se não cuidarmos da base, não adianta presídios ou efetivos”, afirmou. Na visão do parlamentar, seria difícil para um jovem ter um desenvolvimento pleno sem acesso a emprego, sem apoio familiar, sem educação e, às vezes, até abusado. André Quintão defendeu também políticas humanizadoras e penas alternativas para presos que não sejam de alta periculosidade, assim como a dignidade no cumprimento de penas, para que aqueles que cometeram crimes saiam melhores do sistema prisional. “É um desafio do Brasil, não de um partido”, afirmou.

 

Consulte os pronunciamentos realizados em Plenário