Notícias Rss




Minas ocupa o 2º lugar no ranking nacional de startups, com mais de 350 empresas, e San Pedro Valley, em BH, foi considerada por dois anos a melhor comunidade do setor no País
Minas ocupa o 2º lugar no ranking nacional de startups, com mais de 350 empresas, e San Pedro Valley, em BH, foi considerada por dois anos a melhor comunidade do setor no País - Foto: Guilherme Dardanhan
Silvana Braga ressalta que Minas Gerais é um grande produtor de conhecimento
Silvana Braga ressalta que Minas Gerais é um grande produtor de conhecimento - Foto: Guilherme Dardanhan
Aluir Dias coordena programa que visa a sanar a distância entre as pesquisas e o mercado de consumo
Aluir Dias coordena programa que visa a sanar a distância entre as pesquisas e o mercado de consumo - Foto: Ricardo Barbosa
O Seed já contemplou 170 startups desde 2013
O Seed já contemplou 170 startups desde 2013 - Foto: Guilherme Dardanhan
Vinícius Roman é o diretor do Techmall, que recebe empresas após a pré-aceleração do Lemonade
Vinícius Roman é o diretor do Techmall, que recebe empresas após a pré-aceleração do Lemonade - Foto: Guilherme Dardanhan
Marcela Drummond dirige empresa que procura fraudes alimentares
Marcela Drummond dirige empresa que procura fraudes alimentares - Foto: Guilherme Dardanhan
07/11/2016 09h00
Startups em Minas

Minas Gerais tem solo fértil para startups

Estado se destaca em iniciativas voltadas para estimular empreendimentos inovadores e com potencial de crescimento.

Compartilhe:
Twitter Facebook
Email Versão para impressão

A terra do trem, do feijão-tropeiro e do pão de queijo também quer se tornar conhecida pelas startups. Esses empreendimentos, conceituados como empresas iniciantes de tecnologia, na prática são muito mais do que isso, e, em Minas Gerais, em especial em Belo Horizonte, parecem encontrar solo fértil para germinar e crescer exponencialmente, tal qual o pé de feijão das histórias infantis.

Para discutir os desafios para o crescimento dessas iniciativas, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) promove o Fórum Técnico Startups em Minas - A Construção de uma Nova Política Pública.

A etapa final do evento será realizada entre os dias 23 e 25/11/16, mas já foram feitos encontros regionais em quatro cidades do interior do Estado: Santa Rita do Sapucaí (Sul de Minas), Uberlândia (Triângulo Mineiro), Viçosa (Zona da Mata) e Montes Claros (Norte de Minas).

Pesquisa mundial feita pelo Global Entrepreneurship Monitor (GEM), considerado o maior estudo unificado de atividade empreendedora no mundo, aponta que o Brasil está entre os países que mais empreendem no mundo.

São mais de 4 mil startups instaladas, sendo que em São Paulo localizam-se 31% do total das iniciativas brasileiras e 20 parques de tecnologia. Mas, se em Minas Gerais o ecossistema é menor, a coesão é fator de maior peso.

O Estado ocupa o 2º lugar no ranking, atualmente com mais de 350 startups. E San Pedro Valley, que fica em Belo Horizonte, ganhou por dois anos consecutivos o prêmio de melhor comunidade do setor no País pelo Spark Awards, maior premiação para empreendedores da América Latina, organizada pela Associação Brasileira de Startups, em parceria com a Microsoft Brasil.

A diretora-geral do Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development (Seed, ou semente, em inglês), Silvana de Araújo Marques Braga, aponta que o Estado destaca-se por ser um grande produtor de conhecimento, com várias universidades importantes. "Além disso, as reuniões acontecem de forma orgânica, com todos se ajudando e colaborando ativamente", lembra.

Empreendedor e membro do San Pedro Valley, Matt Montenegro também destaca a harmonia e a sinergia entre os atores envolvidos no ecossistema mineiro. A San Pedro Valley, comunidade formada por mais de 200 startups de diversos setores, formou-se de maneira espontânea no bairro de mesmo nome (São Pedro) e é o principal ponto de encontro entre os empreendedores do Estado.

"Começou como uma brincadeira com o Vale do Silício e agora é uma rede de divulgação e encontros informais, sem representante, sem sede, nada formal", conta Matt.

A rede resultou na criação de um site que possibilita aos empreendedores que cadastrem suas instituições e disponibiliza vagas de trabalho de integrantes do grupo.

Apoio em diversos programas

Segundo previsão de Richard Foster e Sarah Kaplan no livro "Creative Destruction: Why companies that are built to last underperform the market" (em uma tradução livre, Destruição Criativa: Por que empresas que são construídas para durar decepcionam o mercado), em 2020, mais de 75% das 500 maiores empresas do ranking feito pela Standard & Poor’s Dow Jones, que publica análises e pesquisas sobre bolsas de valores e títulos, serão marcas que não conhecemos hoje.

Quem destaca essa intrigante previsão é o coordenador executivo do Lemonade, Aluir Dias. O Lemonade é uma iniciativa de pós-aceleração, que tem como objetivo ajudar essas organizações a serem bem-sucedidas em sua caminhada. “O programa faz parte do esforço para sanar o problema histórico que é a distância entre as pesquisas desenvolvidas na universidade e o mercado de consumo”, explica.

Mas nem sempre as melhores ideias estão nas faculdades. Para os empreendedores que não têm condições de tirar os seus sonhos do papel e não estão no meio acadêmico, também há esperança. Existem iniciativas nacionais, como o Startup Brasil. Em Belo Horizonte, conforme Aluir Dias, a melhor forma de começar é o Startup Weekend, que precede o Lemonade.

Durante o Startup Weekend, realizado pela última vez em agosto, os empreendedores têm a oportunidade de apresentar seus projetos a mentores de sucesso, e os três primeiros colocados vão automaticamente para a primeira fase do Lemonade.

No Lemonade, um mês depois do Startup Weekend, acontece a formatação das equipes, que precisam ser multidisciplinares. A partir daí, são cinco semanas em cursos de modelagem de negócios. Apenas 20 organizações seguem para a fase 2, após uma banca de avaliação.

Os empreendedores então passam a ser orientados nas áreas de técnicas operacionais de gestão e mercado, sendo que o encerramento do programa acontece no Demoday, no qual sete startups sobem ao palco, após sorteio, e as melhores recebem investimentos.

Seed - Outro programa de apoio aos empreendedores mineiros é o Seed, que também atende iniciativas nacionais ou estrangeiras, desde que desenvolvam projetos de negócio de base tecnológica em Minas Gerais.

Localizado no Espaço CentoeQuatro, no Centro da Capital, a iniciativa do Governo de Minas está em sua terceira rodada, atendendo atualmente 40 startups, já tendo contemplado 170 ao todo, desde 2013.

O processo de seleção é por meio de edital público e o programa possui três níveis de maturidade: validação de produto, de mercado e vendas.

"São feitas entrevistas e bancas com agentes de aceleração, o que resulta na montagem de um plano individualizado para cada startup. Ao final, todos têm de estar no mesmo nível. Na metade do programa acontece a banca de corte, na qual 10% das empresas participantes devem ser cortadas", conta a diretora-geral do Seed, Silvana Braga.

Techmall - A aceleração pelo Seed pode acontecer no próprio Espaço CentoeQuatro ou dentro do Techmall, prédio no bairro Floresta que também recebe as instituições provenientes da pré-aceleração do Lemonade.

O processo consiste no aprimoramento dos produtos para venda, ou seja, na implantação da cadeia de desenvolvimento de negócios. Essa é a última etapa antes de a organização dar seus passos por conta própria no mercado e pode durar, incluindo a incubação, até um ano.

Conforme explica o CEO do Techmall, Vinícius Roman, dentre os diversos investidores podem ser destacados Sebrae, Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig), Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e Fundepar, gestora de projetos de investimentos ligada à Fundação de Desenvolvimento e Pesquisa (Fundep-UFMG).

Sebrae - Em formato semelhante ao Startup Weekend, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) realizou, no final de setembro, a primeira edição do Sebrae Startup Day, que aconteceu simultaneamente em 48 cidades.

Os participantes puderam trocar experiências por meio de palestras, debates, encontros e hangouts, além de realizar atividades práticas (workshops, oficinas, treinamentos) e meetups, encontros com os principais atores do ecossistema para networking.

Biominas - Empreendedores mineiros têm diversas opções para tirar suas ideias do papel, mas para pesquisadores da área de negócios de impacto em ciências da vida, os programas de pré-aceleração, aceleração e incubação não são tão eficazes.

Por isso, a Biominas oferece orientação e infraestrutura mais adequadas a ideias com demandas diferenciadas, como foi o caso da Myleus, que realiza testes de DNA em alimentos com o objetivo de detectar fraudes alimentares.

“Fraude alimentar é quando o consumidor leva 'gato por lebre': consome um peixe que lhe dizem ser salmão, mas na verdade é outro peixe; queijo de cabra que tem leite de vaca; madeira de lei que na verdade é de má qualidade. Além da questão econômica, é preciso considerar também prejuízos à saúde, no caso de alergias, por exemplo”, ressalta a CEO da Myleus, Marcela Gonçalves Drummond.

Glossário

  • Aceleração: segunda fase da criação da startup, na qual ela refina seu plano de negócios e envolve, entre outras etapas de amadurecimento, a preparação do produto ou serviço para o mercado. Ver "Pré-aceleração".
  • Capital semente: modelo de financiamento particular ou público dirigido a projetos empresariais em estágio zero ou estágio inicial, em fase de projeto e desenvolvimento, antes da instalação do negócio, na qual um ou mais grupos interessados investem os recursos necessários até que o empreendimento consiga se manter financeiramente ou receba novos aportes.
  • Coworking: espaço de uso coletivo onde várias equipes de startups em fase de pré-aceleração e aceleração usam a infraestrutura para trabalhar, por não terem uma sede própria.
  • Ecossistema: ambiente no qual o empreendedor se encontra. O termo é emprestado da biologia, como se as instituições fossem parte da fauna e da flora e precisassem conviver todas em harmonia, cada uma com sua incumbência, para que o ecossistema onde se encontram fique equilibrado.
  • Hangout: espécie de happy hour que acontece dentro dos eventos de pré-aceleradoras e aceleradoras. Apesar de ser informal, o objetivo é trocar contatos e ideias.
  • Incubação: período em que a startup fica lotada dentro de instituição governamental ou particular, que lhe oferece apoio estrutural, logístico e financeiro.
  • Meet up: encontro estabelecido no calendário das pré-aceleradoras cujo objetivo é a formação de equipes multidisciplinares, que irão compor as startups.
  • Networking: rede de relacionamento cujo objetivo, no caso das startups, é que todos os envolvidos se beneficiem, do ponto de vista do negócio.
  • Pré-aceleração: primeira fase da criação de uma startup, que consiste na formação de equipes, elaboração de plano de negócios, conversa com mentores e diagnóstico. Pode levar ou não à aceleração. A maior parte das startups não passa dessa etapa. Ver "Aceleração".
  • Startups: empresas nascentes de base tecnológica e inovadora, que fabricam produtos e serviços com base repetível e escalável. São muito abrangentes, indo desde aplicativos para celular, como o Uber, até tecnologias de ciências da vida, que incluem exames de DNA, como a Myleus.
  • Vale do Silício: região nas imediações de São Francisco, na Califórnia (EUA), onde a partir da década de 1950 se instalou um conjunto de organizações com o objetivo de gerar inovações científicas e tecnológicas. A área apresentou grande expansão a partir da década de 1990 e muitas empresas de lá, como Apple e Microsoft, hoje estão entre as maiores do mundo.

Esta é a primeira matéria especial de série sobre as startups em Minas Gerais. A última será públicada na próxima sexta-feira (11).


Tópicos:
Últimas Notícias

Notícias

21/07/2017

Lei que autoriza criação do novo Servas é promulgada

Entidade sucederá Servas, associação civil sem fins lucrativos que, há mais de 60 anos, atua no desenvolvimento social.

21/07/2017

Promulgada lei de crédito suplementar para órgãos estaduais

Foram autorizados R$ 77 milhões para Defensoria Pública, Ministério Público e DEER

21/07/2017

Governador promulga lei que altera cargos no TCE

Nova norma cria cargos e funções para a assessoria dos novos procuradores do Ministério Público junto ao tribunal.

21/07/2017

Promulgada lei complementar que altera fundo especial do MP

Entre outras mudanças, norma introduz novas fontes de recursos e altera agente financeiro do Funemp.

21/07/2017 Lei define critérios para parcerias com a administração pública
Seu browser não suporta flash player
00:02:36 | Download (2451kb)

21/07/2017 Boletim do dia
Seu browser não suporta flash player
00:02:40 | Download (2514kb)
facebook facebook
Carregando Carregando posts...
Twitter Twitter
Twitter