A homenagem atendeu a requerimento do deputado Fabiano Tolentino (2° da direita para a esquerda)

Maçonaria é homenageada em Reunião Especial no Plenário

Durante solenidade na ALMG, representantes de lojas maçônicas abordaram a crise política e moral pela qual passa o País.

19/08/2016 - 13:30

A maçonaria, sociedade de caráter filosófico, cultural e filantrópico e que se fundamenta nos princípios da liberdade, igualdade e fraternidade, foi homenageada pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) na noite dessa quinta-feira (18/8/16), em Reunião Especial de Plenário. A homenagem atendeu a requerimento do deputado Fabiano Tolentino (PPS).

Em nome da Confederação da Maçonaria Simbólica do Brasil, que representa 27 grandes lojas maçônicas dos Estados brasileiros e do Distrito Federal, o seu secretário-geral adjunto, Janir Adir Moreira, agradeceu a homenagem do Legislativo e disse que, com o passar dos anos, este momento já se tornou quase um costume, o que demonstra o reconhecimento do trabalho que a maçonaria tem desenvolvido em defesa da sociedade e da cidadania.

"O que podemos dizer é que nos sentimos orgulhosos, lisonjeados com tamanha homenagem, uma vez que é um reconhecimento de todos que a maçonaria ajudou a escrever a história do nosso País. E a maçonaria ainda hoje continua escrevendo essa história. Participamos ativamente de todos os movimentos que dizem respeito aos interesses da nossa coletividade", afirmou Janir Moreira.

O grão-mestre da Grande Loja Maçônica de Minas Gerais, Geraldo Eustáquio Coelho de Freitas, lembrou que, em inúmeras localidades, as lojas maçônicas estão desenvolvendo atividades que objetivam o aprimoramento da consciência quanto ao papel do maçom como construtor social em uma sociedade em permanente evolução e com grandes desafios, que, segundo ele, somente poderão ser vencidos com união, convergência de esforços e propósitos.

Crise política - Ao pontuar que o Brasil atravessa uma "difícil crise política, econômica e social e, sobretuudo, de natureza ética e moral", Geraldo Freitas leu o documento intitulado "Carta de Maceió", que reúne as discussões e resoluções da XLV Assembleia Geral Ordinária da Confederação da Maçonaria Simbólica do Brasil, realizada em Maceió (AL) em julho de 2016, que externa o posicionamento da Maçonaria sobre o momento atual. Segundo ele, a carta foi entregue pessoalmente ao presidente interino Michel Temer.

Ele ainda lembrou que a Grande Loja Maçônica de Minas Gerais lançou, em 21 de março de 2015, o projeto "Corrupção Nunca Mais!", que objetiva coletar 1,7 milhão de assinaturas para um projeto de iniciativa popular a ser levado à Câmara Federal.

"O trabalho de coleta de assinaturas é uma forma de materializar a nossa indignação em ação. Esse projeto, não tenham dúvidas, será uma das maiores contribuições da maçonaria contemporânea à sociedade e ao Brasil", afirmou.

O grão-mestre do Grande Oriente do Brasil de Minas Gerais, Eduardo Teixeira de Rezende, parabenizou o projeto e considerou que a corrupção não é causa, mas consequência da pouca participação e do interesse popular. "A reconstrução de uma pátria se faz em valores. Precisamos impregnar valores no nosso coração", afirmou.

O grão-mestre adjunto do Grande Oriente de Minas Gerais, Vanderlei Geraldo de Assis, lembrou que a maçonaria, sempre atenta às causas e à necessidade de defender os menos favorecidos, está pronta para contribuir com os poderes constituídos, "formando um bloco único que ponha fim ou ao menos possa diminuir o sofrimento do povo brasileiro".

Honra - Autor do requerimento para a reunião, o deputado Fabiano Tolentino lembrou que há seis anos participa da homenagem que a ALMG presta à maçonaria. "A gente fica muito feliz porque a cada ano trazemos à tona algum tema referente ao que estamos vivenciando", relatou o parlamentar, que em seu discurso abordou o momento político por que passa o Estado e o País. Segundo ele, a política encontra-se desacreditada, o que enfraquece o Poder Legislativo e suas funções.

O deputado também leu um discurso em nome do presidente da ALMG, deputado Adalclever Lopes (PMDB), que pontuou que a maçonaria, ao defender e difundir os conceitos de liberdade, igualdade e fraternidade, foi fundamental para disseminar conceitos democráticos que determinaram as bases estruturais da cultura e do desenvolvimento no País.