Plenário aprova adicional para servidores do TJ e mais 36 projetos

O Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais aprovou 37 projetos na Reunião Extraordinária da noite desta qua...

15/12/2010 - 00:02
Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais
 

Plenário aprova adicional para servidores do TJ e mais 36 projetos

O Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais aprovou 37 projetos na Reunião Extraordinária da noite desta quarta-feira (15/12/10), entre elas, em 2º turno, o Projeto de Lei (PL) 5.038/10, que dispõe sobre a concessão de adicional de periculosidade aos ocupantes de diversos cargos do Tribunal de Justiça (TJ); e, em 1º turno, o Projeto de Lei Complementar (PLC) 58/10, que faz alterações na organização do Ministério Público (MP).

O PL 5.038/10, do Tribunal de Justiça, foi aprovado sem alterações ao texto do 1º turno (vencido). A proposição dispõe sobre a concessão de adicional de periculosidade aos cargos de oficial judiciário, das especialidades de oficial de justiça avaliador e de comissário da infância e da juventude; e aos cargos de técnico judiciário, das especialidades de assistente social judicial, oficial de justiça avaliador III e IV e psicólogo judicial.

O valor do adicional não se incorporará à remuneração do servidor, nem constituirá base para o cálculo de qualquer vantagem remuneratória, salvo as decorrentes de gratificação natalina e de adicional de férias. Em 1º turno, o projeto sofreu alterações, que adequam o artigo 13 da Lei 10.856, de 1992, que dispõe sobre a recomposição e o reajustamento dos símbolos, dos padrões de vencimento e dos proventos dos servidores do Poder Judiciário e dá outras providências. O adicional de periculosidade já se encontra nessa lei, por isso a iniciativa de alteração da norma para adequar a proposição do Tribunal de Justiça.

O projeto assegura, ainda, a concessão do adicional de periculosidade aos servidores que exercem as funções em cargos integrantes do Quadro de Servidores da Secretaria do Tribunal de Justiça e da Justiça de Primeira Instância; e faz referência ao adicional de insalubridade previsto no artigo 12 da Lei 10.856, de 1992, alterando a base de cálculo daquele adicional para o valor do primeiro padrão da classe inicial da carreira de Técnico Judiciário.

O PLC 58/10, do procurador-geral de Justiça, voltou à pauta do Plenário após a retirada do substitutivo nº 1, apresentado na fase de discussão pelo deputado Domingos Sávio (PSDB). O projeto, que altera dispositivos das Leis Complementares 34, de 1994, e 61, de 2001, que tratam da organização do Ministério Público, foi aprovado com 41 votos favoráveis e nenhum contrário. A matéria insere o Procon-MG na lista dos órgãos de administração e introduz a Junta Recursal do Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Jurdecon) no rol dos órgãos de execução do MP.

Aprovados projetos resultantes do trabalho de comissões especiais

Dois projetos de autoria de comissões especiais da ALMG foram aprovados em 2º turno. O PL 4.462/10, da Comissão Especial sobre a Arbitragem, não sofreu alterações em relação ao texto aprovado em 1º turno. O projeto trata da adoção do juízo arbitral para a solução de litígio em que o Estado seja parte.

A proposição estabelece as regras para a adoção desse mecanismo no Estado, com os requisitos para a escolha dos árbitros e para o funcionamento das câmaras arbitrais. A Lei Federal 9.307, de 1996, já prevê a utilização da arbitragem para a solução de conflitos entre particulares. A novidade da proposição é a regulamentação do uso desse instrumento nos casos que envolvam direito patrimonial em que o Estado e suas entidades descentralizadas (autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de economia mista) figurem como parte.

Da forma como foi aprovado, ficou suprimido, entre os requisitos a serem observados pela câmara arbitral, a exigência de a entidade ser constituída sob a forma de associação sem fins lucrativos. O projeto também passou a determinar que a entidade encarregada de decidir os conflitos deve ter experiência de, no mínimo, três anos.

Execução das penas - O PL 3.814/09, da Comissão Especial da Execução das Penas, adapta dispositivos da norma estadual à legislação federal e determina o uso da tecnologia da informação na gestão prisional. A proposição foi aprovada com três emendas ao texto do 1º turno.

Da forma como foi aprovado, o projeto regulamenta o monitoramento de presos por meio de tornozeleira eletrônica. Segundo o texto, o juiz poderá determinar o monitoramento eletrônico nos casos de autorização de saída temporária no regime semiaberto e de prisão domiciliar, e quando julgar necessário. Também fica determinado que o monitoramento eletrônico poderá ser revogado pelo juiz competente quando o sentenciado descumprir os deveres a que estiver sujeito durante a sua vigência ou quando a medida se tornar desnecessária ou inadequada, a critério do juiz.

A proposição também regulamenta os deveres do sentenciado submetido ao monitoramento eletrônico e as punições para aqueles que descumprirem esses deveres. Quanto à visita íntima, o texto aprovado estende esse direito aos presos provisórios e aos homossexuais, além de regulamentar os procedimentos necessários para sua realização e os casos em que esse direito poderá ser suspenso. O início da vigência da lei será a data de sua publicação.

Outras proposições aprovadas em 2º turno

O Plenário aprovou outros projetos em 2º turno. Um deles é o PL 2.344/08, do deputado João Leite (PSDB) e outros, que isenta os templos religiosos de pagamento da taxa de incêndio. Para isso, o projeto altera dispositivo da Lei 6.763, de 1975, que consolida a Legislação Tributária do Estado.

Também foi aprovado o PL 4.255/10, do governador, que trata da publicação de matéria de interesse dos Poderes no Minas Gerais, órgão oficial do Estado. O projeto estabelece, por exemplo, que as despesas com as publicações serão consignadas no orçamento da Imprensa Oficial e terão como fonte de financiamento recursos ordinários livres do Tesouro, e não mais recursos diretamente arrecadados, como atualmente ocorre. Se hoje o governo transfere recursos para a Fazenda, que depois os transfere para a Imprensa, nos termos do projeto a Imprensa irá atender diretamente às demandas dos Poderes do Estado. A mudança pretende tornar mais ágil o procedimento relativo às despesas com publicação.

Outra mudança proposta é fazer com que a Imprensa Oficial comece a divulgar, mensalmente, o valor individualizado das despesas com publicação geradas em cada órgão e entidade do Orçamento do Estado, abrangendo os três Poderes. Originalmente, o prazo era quadrimensal. Com emenda do deputado Sargento Rodrigues (PDT), aprovada em 2º turno, a periodicidade das divulgações terá de ser mensal.

Da forma como foi aprovado, o projeto faculta a publicação no Minas Gerais dos atos oficiais e do noticiário do Legislativo, Executivo e Judiciário, em respeito ao princípio da independência dos Poderes.

O PL 335/07, do deputado Arlen Santiago (PTB), foi aprovado com duas emendas ao texto do 1º turno, mas que não alteram o conteúdo do projeto. A proposição tem como objetivo instituir, em lei específica, a política pública de arquivos em Minas Gerais, além de definir critérios de gestão e conservação dos documentos públicos e dos documentos privados de interesse social.

No Estado, as normas que regem o assunto estão contidas nos artigos 26 a 40 da Lei 11.726, de 1994, que trata da Política Estadual de Cultura. Da forma como foi aprovado, o projeto adequa a gestão de arquivos no Estado aos parâmetros normativos e técnicos mais recentes da área. Procura, também, tornar mais explícitos os objetivos de fomento aos municípios, para que eles possam consolidar instituições próprias destinadas a preservar patrimônios documentais locais. O texto estabelece, ainda, a política estadual de arquivos no âmbito dos Poderes e órgãos do Estado, e não apenas como parte da política cultural de Minas Gerais.

Cidade Administrativa - Outra proposição a receber voto favorável dos parlamentares, em 2º turno foi o PL 5.035/10, do governador, que prorroga por seis meses a redução de jornada dos servidores que trabalham na Cidade Administrativa do Estado, prevista no artigo 8º da Lei 18.710, de 2010. A prorrogação será até 30 de junho de 2011. O artigo 2º do projeto admite a renovação da prorrogação uma única vez, também por seis meses. O texto foi aprovado sem alterações em relação ao 1º turno.

O Plenário aprovou, ainda, o PL 2.333/08, do deputado Padre João (PT), que institui a Política Estadual de Apoio ao Cultivo, à Extração, ao Consumo, à Comercialização e à Transformação da Macaúba (Pró-Macaúba). O objetivo do projeto é atender as comunidades tradicionais que, especialmente no Norte de Minas, têm como principal meio de renda a exploração da macaúba, uma palmeira que pode ser utilizada na produção de biocombustível. Da forma como foi aprovado, o PL 2.333/08 contempla a criação de mecanismos de fomento à plantação de palmeiras oleaginosas diversas, e não só de macaúba, além de determinar que o Estado incentive a formação de uma cadeia produtiva no setor, unindo o cultivo e a industrialização.

Terras devolutas - Foram aprovados em Plenário, em 2º turno, os Projetos de Resolução (PREs) 4.004/09 e 5.017/10, ambos da Comissão de Política Agropecuária e Agroindustrial. Os dois autorizam a alienação de terras devolutas: o primeiro, no município de Felisburgo, e o segundo, nos municípios de Rio Pardo de Minas e Araçuaí. Terras devolutas são propriedades públicas ocupadas irregularmente por particulares. A alienação busca regularizar a situação.

Doações de imóveis - Os deputados aprovaram na Reunião Extraordinária, em 2º turno, os seguintes projetos de lei que autorizam o Poder Executivo a doar imóveis a municípios (entre parênteses, o município beneficiado): PLs 3.391/09, 3.783/09, 3.785/09 e 3.787/09, do deputado Dalmo Ribeiro Silva, do PSDB (todas relativas a Itajubá); PL 3.666/09, do deputado Zé Maia, do PSDB (Conceição das Alagoas); PL 3.777/09, do deputado Ruy Muniz, do DEM (Congonhal); PL 3.791/09, do deputado Almir Paraca, do PT (Itajubá); PLs 3.963/09 e 3.218/09, do deputado Domingos Sávio, do PSDB (respectivamente Candeias e Santo Antônio do Amparo); PL 4.036/09, do deputado Dinis Pinheiro, do PSDB (Ibirité); PLs 4.037/09 e 3.935/09, do deputado José Henrique, do PMDB (respectivamente Tumiritinga e Santa Rita do Itueto); PL 4.047/09, do deputado Luiz Humberto Carneiro, do PSDB (Monte Alegre de Minas); PLs 4.071/09, 4.085/09 e 4.086/09, do governador (respectivamente São Gonçalo do Rio Preto, Leandro Ferreira e Pouso Alegre); PL 4.283/10, do deputado Zezé Perrella, do PDT (Abaeté); e PL 4.182/10, do deputado Délio Malheiros, do PV (Conquista).

Também foram aprovados em 2º turno os PLs 3.126/09, do deputado Elmiro Nascimento (DEM), e 3.540/09, do deputado Célio Moreira (PSDB), que autorizam o Poder Executivo a fazer reverter imóveis aos municípios de Tiros e Belo Horizonte, respectivamente.

Os parlamentares votaram favoravelmente, ainda, ao PL 4.102/09, do deputado Inácio Franco (PV), que autoriza o Instituto Estadual de Florestas a doar imóvel ao município de Pará de Minas; ao PL 4.249/10, do deputado Delvito Alves (PTB), que autoriza o Poder Executivo a doar imóvel ao Centro Polivalente de Atividades Sociais, Culturais e Ambientais, de Unaí; ao PL 4.613/10, do deputado Marcus Pestana (PSDB), que autoriza o Departamento de Estradas de Rodagem a fazer reverter imóvel ao município de Morro do Pilar; e ao PL 5.050/10, da Mesa da Assembleia, que autoriza o Instituto de Previdência do Legislativo do Estado de Minas Gerais a alienar imóvel, e o Estado a adquiri-lo para utilização pela Assembleia Legislativa. Todos tramitavam em 2º turno.

Utilidade pública - O Plenário aprovou, em 2º turno, os PLs 4.513/10 e 4.222/10, ambos do deputado Duarte Bechir (PMN). Eles reconhecem como de utilidade pública, respectivamente, as associações de produtores rurais e os consórcios intermunicipais de saúde do Estado.

Encerramento de discussão - A Presidência declarou encerradas as discussões, em 2º turno, dos PLs 965/07, 2.428/08, 3.857/09, 3.953/09, 4.137/10, 4.138/10, 4.145/10, 4.146/10, 4.326/10, 4.543/10, 4.669/10, 4.670/10, 4.671/10, 4.688/10, 4.701/10, 4.706/10, 4.707/10, 4.718/10, 4.719/10, 4.720/10, 4.721/10 e 4.736/10. O motivo é que eles permaneceram em ordem do dia por seis reuniões.

A requerimento do deputado Padre João, foram adiadas as votações do PRE 4.999/10 e dos PLs 4.257/10, 4.413/10 e 4.489/10, todos do governador.

 

 

Responsável pela informação: Assessoria de Comunicação - www.almg.gov.br

Rua Rodrigues Caldas,30 :: Bairro Santo Agostinho :: CEP 30190 921 :: Belo Horizonte :: MG :: Brasil :: Telefone (31) 2108 7715