Comissão acompanhará recuperação do Rio São Francisco

A Comissão de Meio Ambiente e Recursos Naturais esteve em Lagoa da Prata, no Centro-Oeste de Minas, na manhã desta qu...

22/10/2003 - 17:37
 

Comissão acompanhará recuperação do Rio São Francisco

A Comissão de Meio Ambiente e Recursos Naturais esteve em Lagoa da Prata, no Centro-Oeste de Minas, na manhã desta quarta-feira (22/10/2003), percorrendo trecho do Rio São Francisco que passa por aquela região e que teve uma extensão de 7,5 km de seu curso desviada. O desvio foi feito há 20 anos pela Companhia Industrial e Agrícola Oeste de Minas, que destinou a área para uma plantação de cana. De acordo com a presidente da comissão, deputada Maria José Haueisen (PT), essa foi uma visita técnica com o objetivo de verificar de perto a situação do trecho. O próximo passo será acompanhar o acordo entre a Companhia Industrial e o Ministério Público. "É necessário promover o desassoreamento do rio", destacou a deputada.

Em maio deste ano, o Ministério Público firmou Termo de Ajustamento de Conduta com a empresa, multada em R$ 90 mil. "Os danos ambientais ainda não foram sanados", avaliou a promotora de Lagoa da Prata, Andrea Bahuly. Segundo ela, o MP está aguardando a liberação de um laudo do Ibama sobre um projeto de recuperação do leito do rio, a ser implementado pela empresa.

Deputados apontam estrago ambiental

"Na época, o desvio não chamou atenção de autoridades e ambientalistas, que só hoje percebem o grande estrago ambiental na região. É importante uma mobilização imediata para resolver o problema e evitar novos prejuízos ambientais", afirmou o deputado Paulo Cesar (PFL), autor do requerimento que originou a visita.

Os deputados Doutor Ronaldo (PDT) e Márcio Passos (PL) também percorreram o trecho do São Francisco em Lagoa da Prata. Para o deputado Doutor Ronaldo, é preciso empenho e vontade política para o problema, que pode ser resolvido pelo fechamento do desvio. Já o deputado Márcio Passos lembrou que a degradação dos rios também é causada pelo volume de esgoto despejado inadequadamente, todos os dias. "Se o governo não enfrentar seriamente essa questão, é certo que ficaremos sem água no futuro", apontou.

Apelo - Antes de conhecerem de perto os estragos ambientais provocados, os deputados se encontraram com vários prefeitos e vereadores da região, na Câmara Municipal de Lagoa da Prata. Os políticos pediram ajuda da comissão para resolver esse e outros problemas ambientais das cidades próximas a Lagoa da Prata.

Moradores reclamam de construção de lixão em Nova Serrana

Ainda nesta quarta-feira (22/10/2003), na parte da tarde, a comissão está realizando audiência pública em Nova Serrana, que começou às 16h30. O objetivo é debater projeto da prefeitura daquela cidade para construção de um aterro sanitário na região conhecida como Novais. O problema, segundo os moradores, é que existem dez nascentes de rios no local, que podem ser contaminadas com a implantação do lixão.

Segundo a comunidade, o lixo de Nova Serrana deve ter tratamento diferenciado, já que é constituído por muitos materiais tóxicos e sintéticos, originados das mais de mil fábricas de calçados na região. Outra peculiaridade é o volume de lixo gerada por habitante na cidade, que é de 3 quilos por dia - média mais alta que a de meio quilo, comum em cidades do mesmo porte.

Estudo a longo prazo - Segundo o deputado Paulo Cesar, que também foi o autor do requerimento pela reunião em Nova Serrama, a comissão está discutindo com a população e autoridades visando encontrar uma alternativa à construção de um aterro na cidade. "É preciso que se faça um estudo da situação do lixo pelo menos nos próximos 50 anos. Se não tivermos uma solução definitiva para o problema, a comunidade continuará correndo risco de ter o lixão instalado em local impróprio", analisou Paulo Cesar.

Presenças - Participam da reunião os deputados Maria José Haueisen (PT), presidente, Paulo Cesar (PFL), Márcio Passos (PL) e Doutor Ronaldo (PDT).

 

Responsável pela informação: Assessoria de Comunicação - 31 - 3290 7715