Direitos Humanos pede interdição da Furtos de Veículos

A Comissão de Direitos Humanos da Assembléia de Minas vai pedir ao Ministério Público a interdição da Delegacia Espec...

26/09/2003 - 17:12
 

Direitos Humanos pede interdição da Furtos de Veículos

A Comissão de Direitos Humanos da Assembléia de Minas vai pedir ao Ministério Público a interdição da Delegacia Especial de Repressão ao Furto e Roubo de Veículos, localizada no Barro Preto, região central de Belo Horizonte. O anúncio foi feito pelo presidente da comissão, deputado Durval Ângelo (PT), em visita à delegacia, nesta sexta-feira (26/9/2003). "Aqui não tem a menor condição de ter uma carceragem. Os presos não recebem visitas, não têm banho de sol nem circulação de ar. É realmente uma masmorra", afirmou o deputado.

Para reivindicar melhores condições sanitárias e protestar contra a superlotação, os presos iniciaram, na última segunda-feira (22), uma greve de fome. Vários foram parar no hospital com sintomas de inanição (náuseas, tonturas e dor de cabeça). Durante a visita, um deles começou a passar mal e teve que ser retirado da cela. A greve só terminou após um acordo intermediado pelo deputado Durval Ângelo. O acordo estabelece que 15 detentos já condenados serão transferidos da delegacia na próxima segunda (29). Segundo o deputado, o ato determinando a transferência será publicado no Minas Gerais desta segunda.

Outra reivindicação dos presos, a redução dos intervalos entre as visitas, também foi atendida. A partir da próxima semana, os detentos poderão receber visitas a cada 25 dias. "A greve está suspensa porque vai haver a transferência e melhorias para nós. Mas se a transferência não ocorrer, vamos continuar a greve de fome", anunciou o representante dos presos, Gustavo Revert Neto, após a reunião com Durval Ângelo.

Os presos, representados por uma comissão de cinco homens, estavam relutantes em fechar um acordo porque não acreditavam que as transferências seriam contínuas, de modo a realmente acabar com a superlotação. O deputado Durval Ângelo, no entanto, considera positiva a transferência de 15 detentos. "Acho que vencemos mais uma etapa de negociação com o governo do Estado. Eles não queriam transferir ninguém, o fato de transferir 15 já é uma vitória", afirmou o deputado, que prometeu continuar fazendo pressão sobre a Secretaria de Estado de Defesa Social para melhorar as precárias condições dos presos.

Revezamento para dormir

Durante a visita, solicitada por parentes dos presos, o deputado verificou que as condições da carceragem da Furtos de Veículos são precárias. As cinco celas, projetadas para comportarem no máximo 20 detentos, abrigam 126 homens. Não há iluminação nem banheiros adequados. Os presos não têm direito a banho de sol e são obrigados a suportar o calor escaldante, já que o telhado é de zinco. Objetos de higiene pessoal só são fornecidos pelos familiares dos detentos, mas os intervalos entre as visitas podem ser de até 35 dias. Para dormir, eles fazem revezamento: alguns dormem durante o dia e outros à noite. Alguns improvisam redes com cobertores, que ficam penduradas no teto. Não são poucos os que se machucam ao despencarem das redes.

Ciranda da morte - Os presos negaram a existência de ciranda da morte na delegacia. "Isso foi há alguns anos. Hoje, se morre alguém, é porque estava devendo ou era estuprador", garantiu o líder Gustavo Revert. Segundo ele, o detento Mauro César Cardoso, encontrado morto com requintes de crueldade na última quarta-feira (24), não foi assassinado por ter furado a greve de fome, mas sim porque seria informante da polícia e teria desavenças com os companheiros de cela. O crime foi assumido pelo colega de cela Davi Aparecido da Silva, mais conhecido como Baiano.

 

Responsável pela informação: Assessoria de Comunicação - 31 - 3290 7715