Brasil tem grandes perspectivas com a produção de álcool

A crescente preocupação mundial com a busca de alternativas energéticas ao petróleo, como o álcool, abre para o Brasi...

16/09/2003 - 19:29
 

Brasil tem grandes perspectivas com a produção de álcool

A crescente preocupação mundial com a busca de alternativas energéticas ao petróleo, como o álcool, abre para o Brasil uma grande possibilidade de geração de riqueza, emprego e renda, já que o país é o maior produtor de cana-de-açúcar do mundo, com 27,7% da produção mundial. Essa foi uma das conclusões da reunião desta terça-feira (16/9/2003) da Comissão de Política Agropecuária e Agroindustrial da Assembléia Legislativa de Minas. O encontro reuniu diversos convidados e autoridades para debater a possibilidade de reativação do Pró-Álcool, programa do governo federal de incentivo à produção de álcool combustível.

O deputado Doutor Viana (PFL), autor do requerimento que possibilitou a reunião, apresentou uma série de dados históricos e atuais sobre o setor sucroalcooleiro no Brasil e em Minas. Ele lembrou, por exemplo, que o país exporta 500 milhões de litros de álcool por ano, mas o potencial é muito superior. Somente o Japão deverá demandar o consumo de 12 bilhões de litros por ano, o que equivale a toda a produção nacional.

Mas o país precisa adotar uma política agrícola que seja capaz de consolidar sua confiabilidade junto ao mercado internacional. O alerta foi feito pelo presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais (Faemg), Gilman Viana Rodrigues. O coordenador-geral de Acompanhamento e Avaliação do Departamento de Açúcar e do Álcool do Ministério da Agricultura, José Nilton de Souza Vieira, lembrou a crise de abastecimento de álcool no início dos anos 90 e disse que os usineiros trabalham com planejamento de curto prazo, ora produzindo açúcar, ora álcool, dependendo do preço dos produtos no mercado. Ele alertou para a necessidade de uma programação visando o médio e o longo prazos. Mas o presidente do Sindicato da Indústria de Fabricação do Álcool e da Indústria do Açúcar em Minas Gerais, Luiz Custódio Cotta Martins, procurou tirar a culpa dos produtores.

Descentralização da produção - O secretário de Estado da Agricultura, Odelmo Leão Carneiro Sobrinho, também mostrou números comprovando a potencialidade do setor sucroalcooleiro e acatou a sugestão do deputado Domingos Sávio (PSDB) de analisar um projeto de descentralização da produção de álcool. O projeto, trazido à reunião pelo engenheiro agrônomo José Maria Mendes, demonstra a viabilidade da fabricação de álcool em pequenas propriedades rurais, assim como já acontece com o leite.

Os deputados Padre João (PT) e Luiz Humberto Carneiro (PSDB) fizeram diversos questionamentos aos convidados, principalmente no que diz respeito aos riscos de a agricultura se transformar em monocultura. Gilman Viana respondeu que é a rentabilidade que direciona a cultura de determinada área, ou seja, os produtores rurais investirão naquilo que for mais vantajoso. Mas o governo pode restringir o crédito agrícola e a assistência técnica em determinadas regiões, induzindo os agricultores a mudar suas plantações.

Requerimentos - A comissão aprovou dois requerimentos do deputado Padre João. Um deles pede que a audiência pública para discutir a situação dos pequenos produtores rurais de Piranga e região seja realizada na cidade de Rio Espera. O outro solicita que a comissão, em conjunto com representantes de diversas entidades, faça uma visita à ministra das Minas e Energia, Dilma Rouseff, para discutir um novo programa de estímulo à produção de álcool no país. Foi aprovado ainda um requerimento do deputado Domingos Sávio solicitando uma audiência pública em Bom Despacho para debater incentivos para os produtores de milho do Centro-Oeste mineiro.

Presenças - Participaram da reunião os deputados Padre João (PT), que a presidiu; Doutor Viana (PFL), que presidiu a parte final; Luiz Humberto Carneiro (PSDB); Domingos Sávio (PSDB); Paulo Piau (PP); e Ricardo Duarte (PT).

 

 

 

 

Responsável pela informação: Assessoria de Comunicação - 31 - 3290 7715