Assembléia homenageia Dia Internacional da Mulher

Diferentemente da maioria de suas reuniões, o Plenário da Assembléia Legislativa de Minas teve presença majoritária d...

08/04/2003 - 20:17
 

Assembléia homenageia Dia Internacional da Mulher

Diferentemente da maioria de suas reuniões, o Plenário da Assembléia Legislativa de Minas teve presença majoritária de mulheres na tarde dessa quinta-feira (13/03/2003). Na reunião especial em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março, o presidente da Casa, deputado Mauri Torres (PSDB), prestou tributo às mulheres, passando a presidência dos trabalhos à deputada Maria José Haueisen (PT), representando a bancada feminina. Torres destacou que a voz das deputadas mineiras representa a luta por justiça e liberdade de todas as mulheres.

Maria José agradeceu a Mauri Torres pela honra de presidir a solenidade, que para a deputada era, antes de motivo de festa, um apelo à reflexão. "Se hoje, registramos o maior número de deputadas na Assembléia, conseqüência da maior participação da mulheres no mercado de trabalho, reconhecemos que o avanço é fruto de uma luta já secular", declarou. Segundo a deputada, "a luta para se libertar do papel de rainha do lar, rumo à liberdade profissional, à expressão de suas idéias, está longe de ser considerada vitoriosa, apesar dos progressos". Ela ponderou que as mulheres emancipadas acabam tendo que se desdobrar para cumprir seus compromissos profissionais, seus afazeres domésticos e ainda cuidar da educação dos filhos e da organização familiar.

Logo depois da execução do Hino Nacional Brasileiro, o coral da Assembléia Legislativa, regido pelo maestro Guilherme Bragança, apresentou três números musicais, incluindo canções de Villa Lobos, Chico Buarque de Holanda e Milton Nascimento.

Deputadas da Assembléia entregam placas comemorativas a mulheres que se destacaram

Em seguida, as nove deputadas discursaram, cada uma prestando homenagem a uma mulher escolhida por se destacar em sua área de atuação. Cada deputada entregou uma placa comemorativa da Assembléia a sua homenageada. A deputada Ana Maria (PSDB) disse que o 8 de março representava para ela o "dia da esperança", pois só às mulheres foi dada a oportunidade de gerar uma nova vida, cada uma com a possibilidade de construir um mundo novo e mais humano. Ana Maria homenageou Mara Denise Ribeiro de Morais, servidora aposentada da Assembléia de Minas, que atuou como gerente na área de pessoal e como especialista na condução de concursos públicos, tendo coordenado quase todos os concursos da Assembléia, desde 1975.

"A mulher, por ocupar cada vez mais espaço, torna-se o ponto de equilíbrio, trabalhando junto com os homens para uma sociedade melhor" afirmou a deputada Cecília Ferramenta (PT). Ela disse que essa imagem de equilíbrio estaria bem simbolizada pela Justiça e por isso, sua homenagem à juíza Maria Aparecida de Oliveira Grossi Andrade, da comarca de Ipatinga, a primeira mulher a exercer as funções de delegada de polícia na cidade.

A deputada Jô Moraes (PCdoB) homenageou Maria Rita Fernandes de Figueiredo, trabalhadora rural e integrante do Departamento de Política e Reforma Agrária da Federação dos Trabalhadores em Agricultura no Estado de Minas Gerais (Fetaemg). A homenageada foi uma das fundadoras do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Capelinha, em 1980, tornando-se presidente da entidade em 1988. Para a deputada, Maria Rita representa a luta das trabalhadoras do campo que, com humildade, vigor e esperança, mostram que é possível plantar e produzir para o mundo, desde que sejam dadas condições de vida digna e menos sofrida.

Todas as mulheres, guerreiras e trabalhadoras, que se dedicam à construção de uma realidade melhor, foram lembradas no discurso da deputada Lúcia Pacífico (PTB). Ela prestou tributo a todas as donas de casa, homenageadas na figura de Léa Faria de Abreu, artesã que desenvolve trabalho comunitário há vários anos e mantém o Clube das Mães Edwiges, no bairro Cachoeirinha, em Belo Horizonte. A entidade atende diretamente 30 famílias carentes, com palestras educativas e cursos de qualificação profissional, e 120 pessoas indiretamente.

Menores infratores - De volta à tribuna, a deputada Maria José Haueisen (PT) homenageou Márcia Helena Pimentel Tureta, advogada e delegada de Polícia em Teófilo Otoni. Na opinião de Haueisen, o trabalho da "doutora Márcia" mostra a capacidade da mulher para assumir qualquer responsabilidade que lhe seja atribuída. "Há 12 anos, essa filha de Muriaé está conosco, trabalhando com menores infratores, tratando-os como se fossem seus filhos", elogiou. "Tomara que todas as pessoas que lidam com menores tenham a mesma atitude", acrescentou.

As mães de filhos excepcionais e as mulheres mineiras foram o tema do discurso da deputada Maria Olívia (PSDB). Sua homenageada foi Isamim Couto Gonçalves Coelho, presidente da Associação dos Pais e Amigos Excepcionais (Apae) de Lagoa da Prata e diretora financeira da Federação das Apaes de Minas. Maria Olívia também lembrou a 1ª deputada eleita de Minas Gerais, em 1962, Marta Nair Monteiro, também presente à reunião especial.

A deputada Maria Tereza Lara (PT) homenageou, na pessoa de Beatriz da Silva Cerqueira, a todas as mães, funcionárias, operárias, sindicalistas e desempregadas. Beatriz é coordenadora do Sind-UTE/subsede Betim e diretora do Sind-UTE estadual. Maria Tereza Lara ressaltou que a mulher tem que ocupar 50% do poder, pois "só dessa forma haverá uma sociedade mais igualitária, com paz, sem exclusão, com justiça e emprego para todos", concluiu.

"Oito de março é um dia de protestos e reflexão sobre os desafios e obstáculos que temos", enfatizou a deputada Marília Campos (PT) para lembrar sua homenageada. "Wanda Nogueira Miranda incorporou no seu cotidiano a busca de sua irmã desaparecida", acrescentou Marília. Wanda é a vice-presidente da Associação de Familiares e Amigos de Pessoas Desaparecidas, e milita desde que sua irmã, a bancária Elizabete Nogueira, desapareceu em 25 de maio de 1999, após sair do trabalho em um shopping da Capital.

Já a deputada Vanessa Lucas (PSDB) homenageou a irmã Margarida Generoso, 80 anos, religiosa da Congregação Salesiana que há 28 anos dirige a obra social Dom Bosco, no bairro Eldorado, em Contagem. A obra conta com três casas-lar, um núcleo de apoio à criança e ao adolescente e um espaço escolar. Para favorecer crianças e adolescentes em maior número, a irmã Margarida Generoso também criou unidades de trabalho no município. Segundo Vanessa Lucas (PSDB), "o trabalho da irmã Margarida mostra que a criança é o presente da Nação, e não apenas o futuro, o amanhã".

Fechando o evento, a deputada Maria José Haueisen acrescentou que a reunião serviu para apresentar a vida de luta, dedicação, compromisso e esperança de nove mulheres. Para ela, quanto maior for o número de mulheres atuando em todas as esferas da sociedade, maior será a força delas. A deputada informou ainda que, na semana passada, a bancada feminina da Assembléia se reuniu com o chefe de polícia Otto Teixeira exigindo providências para solucionar o caso de 32 mulheres desaparecidas no Estado. Requerimento nesse sentido, de autoria da bancada feminina da Casa, foi aprovado na reunião da Comissão de Direitos Humanos, realizada nesta quarta-feira (12/3/2003).

 

 

Responsável pela informação: Assessoria de Comunicação - 31 - 3290 7715