Fórum de Biotecnologia vai a Montes Claros na 6ª feira

A influência da biotecnologia na área da saúde será uma das principais questões debatidas no encontro do Fórum "A Bio...

29/08/2002 - 16:56
 

Fórum de Biotecnologia vai a Montes Claros na 6ª feira

A influência da biotecnologia na área da saúde será uma das principais questões debatidas no encontro do Fórum "A Biotecnologia e Você: Mitos, Verdades e Fatos", promovido pela Assembléia de Minas, na cidade de Montes Claros, nesta sexta-feira (30/8/2002). O município, situado na região Norte do Estado, é considerado um dos maiores centros de produção de insulina no Brasil. Esta será a segunda reunião de interiorização do fórum, que contará com outras duas, a se realizarem em Barbacena (4/9) e em Uberaba (11/9), com a finalidade de abrir espaço para a discussão sobre a biotecnologia. A primeira reunião no interior aconteceu no dia 28, em Passos. A etapa final será em Belo Horizonte, no dia 18 de setembro, no Plenário da Alemg.

A reunião em Montes Claros será realizada a partir das 8h30, na Câmara de Dirigentes Lojistas (avenida Sidnei Chaves, 447) e terá a coordenação do deputado Eduardo Hermeto (PFL). Aqueles que se interessarem em participar do evento no interior do Estado devem comparecer ao local da realização do evento às 8 horas para credenciamento. Não há necessidade de inscrição.

Com o objetivo de disseminar informações e solucionar dúvidas sobre a biotecnologia, o Legislativo mineiro lidera essa iniciativa em parceria com o Sindicato das Empresas de Base Biotecnológica no Estado (Sindbio) e com a Federação das Indústrias (Fiemg). O fórum também tem apoio de organizações governamentais e não-governamentais, entre estas Circuito da Vida e CNTA (Centro Nacional de Tecnologia Ambiental).

Utilização da biotecnologia- "Biotecnologia é a utilização de organismos vivos no desenvolvimento de produtos, serviços e processos nos setores de alimentação, saúde, agricultura, pecuária e preservação do meio ambiente", informa a presidente do Sindbio, Hélen Lima, que será uma das expositoras das reuniões de interiorização do fórum. Segundo ela, a biotecnologia já é usada há milênios, apesar de parecer novidade, tendo como alvos, entre outros, a produção de alimentos como o pão, o vinho e o queijo.

Hélen Lima lembra que o Estado de Minas Gerais é o maior pólo de biotecnologia da América Latina, de acordo com estudos realizados pela Federação das Indústrias (Fiemg). Segundo ela, a biotecnologia é uma das vertentes primordiais para o desenvolvimento da economia atualmente. Na região de Montes Claros, a biotecnologia é utilizada, principalmente, nos setores de produção de insulina e de vacinas veterinárias.

BIOTECNOLOGIA PODE AUXILIAR O TRATAMENTO DE DIABETES

Kits para diagnóstico de doenças, vacinas, cosméticos e produção de medicamentos são alguns dos produtos ligados à área de saúde que estão sendo elaborados por meio da utilização de biotecnologia. A cidade de Montes Claros é considerada um dos maiores centros de produção de insulina no Brasil. A insulina é o tipo de medicamento utilizado no tratamento da diabetes, principalmente a do tipo 1, detectada em crianças, adolescentes e jovens. A diabetes é uma doença crônica que pode evoluir para perda da visão e complicações vasculares, cardíacas e renais.

Atualmente, no Brasil, há cinco milhões de portadores de diabetes, sendo que, desse número, 700 mil são usuários de insulina. O fato de esse medicamento ter uso subcutâneo é considerado uma das maiores dificuldades no tratamento da doença. Em busca de uma alternativa, os setores voltados para a produção de insulinas que trabalham com a biotecnologia desenvolveram, por meio da engenharia molecular, insulinas cujo uso é feito por inalação, com aplicação nasal. De acordo com pesquisas, a vantagem das insulinas inaladas é que elas podem ser facilmente conservadas, não necessitando serem guardadas em geladeiras, como acontece com as insulinas aplicadas.

Segundo a Cartilha dos Transgênicos, publicada pela Comissão Técnica Nacional de Biosegurança, a produção de insulina por meio da técnica transgênese ocorre da seguinte forma: o gene que produz a insulina humana é isolado e transportado para uma bactéria, que vai se multiplicar e crescer em um tanque de fermentação. No local, a bactéria vai produzir a proteína da insulina, enquanto estiver no processo de crescimento. Em seguida, a proteína da insulina é isolada e purificada para ser usada como medicamento no tratamento da diabetes.

Vacinas também podem ter produção por biotecnologia - Atualmente, os esforços da biotecnologia no setor de produção de vacinas estão voltados para o desenvolvimento da vacina "Penta", que prevê a imunização da difteria, tétano, coqueluche, haemophilus e hepatite B. Atualmente, o sistema de saúde conta com a vacina quádrupla, que imuniza a coqueluche, haemophilus, a hepatite B e o tétano. O Instituto Butantã e a Fiocruz são responsáveis por 75% da produção da vacina quádrupla. A expectativa é de que a nova vacina, Penta, tenha um custo médio de R$ 0,80.

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO NO INTERIOR DO ESTADO

8 horas: credenciamento

8h30: abertura

8h45: palestra "Impactos Socioeconômicos da Biotecnologia em Minas Gerais", sendo expositora a presidente do Sindicato das Empresas de Base Biotecnológica no Estado de Minas Gerais (Sindbio), Hélen Aguiar Lima. Os debatedores serão o presidente da Federação das Indústrias (Fiemg), Robson Andrade; presidente do Instituto Mineiro de Agropecuária (Ima), Célio Gomes Floriani; e o professor de Ecologia e Desenvolvimento Rural do Centro Universitário de Belo Horizonte UNI-BH, Carlos Eduardo Mazzetto Silva;

10h30: palestra "Biotecnologia e Aspectos Legais", sendo expositor o professor de Biotecnologia do Departamento de Fitotecnia da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Aluízio Borém. Os debatedores serão o presidente da Associação dos Produtores de Sementes e Mudas de Minas Gerais (Aspemg), Eder Luiz Bolson; a assessora adjunta para Assuntos Internacionais do Governo do Estado de Minas Gerais, Roberta Jardim de Morais; e um representante do Ministério Público;

14 horas: palestra "Impactos da Biotecnologia na Saúde", sendo expositores o diretor científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), Naftale Katz; o professor da Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Roberto Machado Silva; e a secretária da Rede Nacional Feminista de Saúde, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, Maria de Fátima Oliveira;

15 horas: palestra "Impactos da Biotecnologia no Meio Ambiente", sendo expositores o diretor de Meio Ambiente e Saúde do Sindicato das Empresas de Base Biotecnológica de Minas Gerais (Sindbio), Luis Mário Queiroz Lima; e o ecólogo e professor do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG, Sérvio Pontes;

16 horas: palestra "Impactos da Biotecnologia na Agroindústria", sendo expositor o membro do Comitê Técnico-Científico do Sindbio, Gloverson Lamego Mouro.

 

Responsável pela informação: Assessoria de Comunicação - 31 - 3290 7715