Procon Assembléia alerta para risco em anúncios classificados

Cuidado com anúncios classificados nas seções de consórcios e empréstimos nos jornais que contenham poucas informaçõe...

20/08/2002 - 09:34
 

Procon Assembléia alerta para risco em anúncios classificados

Cuidado com anúncios classificados nas seções de consórcios e empréstimos nos jornais que contenham poucas informações sobre o anunciante. O alerta é do Procon Assembléia, que realizou uma pesquisa nos principais jornais que circulam em Minas e constatou que mais de 50% desses anúncios são, no mínimo, suspeitos e já sofreram reclamações de consumidores junto ao órgão estadual. A orientação vale principalmente para os classificados que não informam o nome da empresa e apresentam, como telefone de contato, um número de celular pré-pago.

Com base nessa pesquisa e em queixas registradas de clientes, o coordenador do Procon Assembléia, Marcelo Barbosa, se reuniu nesta segunda-feira (19/8/2002) em sua sede com representantes dos principais jornais que veiculam anúncios classificados para buscar formas de evitar que o consumidor seja lesado por estelionatários que fazem propaganda enganosa. O gerente de classificados do jornal "Estado de Minas", Caio Andrade Braga Netto, se propôs a incluir nas seções que geram mais problemas (consórcios e empréstimos pessoais) alertas quanto ao risco de se fechar um negócio sem antes conhecer quem está do outro lado.

Na avaliação de Barbosa, esse já seria um avanço. "Se não é possível fazer uma triagem melhor, pelo menos a advertência junto aos leitores ajuda a coibir esse tipo de prática", ponderou. Esses alertas vão conter conselhos sobre a importância de se conhecer as condições de venda dos produtos ou serviços oferecidos e também a idoneidade do anunciante, através de uma consulta aos Procons (Municipal, Assembléia e do Ministério Público).

Questionado sobre a possibilidade de se fazer um cadastro de todos os anunciantes, o gerente do "Estado de Minas" argumentou que, "teoricamente", todos são cadastrados. O problema, segundo ele, é que muitos dos que agem de má-fé apresentam dados pessoais falsos, como números de CPF de outras pessoas e endereços inexistentes, e não há como conferi-los. Mesmo com medidas criteriosas para a captação dos anúncios, afirmou, ainda vai existir quem veicule propaganda enganosa. Ele admitiu, no entanto, que o jornal ainda não impõe qualquer restrição em sua seção de classificados.

JORNAL AGE CONTRA ANÚNCIOS FALSOS

Durante a reunião na sede do Procon Assembléia, o diretor geral do jornal "Balcão", Paulo André de Alcântara Nacife, informou que já tomou uma série de medidas para impedir a veiculação de anúncios suspeitos. O jornal não aceita, por exemplo, publicidade que contenha apenas o telefone celular do anunciante. Para veiculação em determinadas seções, só com a presença física do interessado na loja, com carteira de identidade. Todos os anúncios fonados são gravados.

Outra providência foi bloquear a inserção de anúncios via internet, sob o argumento de que, como sua publicação é automática, muita coisa irregular estava sendo colocada no site do jornal. "São medidas antipáticas, mas esse tipo de anúncio não me serve", afirmou o diretor, citando que a credibilidade do jornal é mais importante.

O assessor do Procon assembléia Renato Dantés Macedo disse que há vários tipos de propaganda enganosa nos classificados. As principais contêm falsas empresas ou mesmo firmas estabelecidas que prometem vantagens e não cumprem. "O consumidor precisa ficar atento, ele não deve confiar plenamente no anunciante", disse o assessor.

Os diretores comerciais dos jornais "O Tempo" e "Hoje em Dia" e os representantes dos Procons Municipal e do Ministério Público também foram convidados para a reunião, mas não compareceram.

 

Responsável pela informação: Assessoria de Comunicação - 31 - 3290 7715