Deputados debatem desenvolvimento do turismo em Minas

A Cooperativa de Trabalho dos Profissionais do Turismo (Cooperatur) e o Serviço Social do Comércio (Sesc) estão traba...

24/04/2002 - 16:29
 

Deputados debatem desenvolvimento do turismo em Minas

A Cooperativa de Trabalho dos Profissionais do Turismo (Cooperatur) e o Serviço Social do Comércio (Sesc) estão trabalhando juntos pelo desenvolvimento do turismo em Minas Gerais. Os dois órgãos apresentaram seus trabalhos à Comissão de Turismo, Indústria e Comércio, nesta quarta-feira (24/4/2002). O Sesc vai promover um encontro técnico-cultural com a proposta de discutir a realidade do ecoturismo no Brasil, nos dias 7 a 9 de junho. "A diversidade da cultura e do turismo em Minas são grandes, é preciso mostrá-los aos mineiros e a outros estados", salientou o deputado Márcio Cunha (PMDB).

Desenvolver um programa de turismo social e cultural inclusivo, promover a integração interpessoal, propiciar o enriquecimento cultural com ênfase para a educação no turismo, e possibilitar o desenvolvimento integral da saúde, são os objetivos citados pela diretora de Lazer e Turismo do Serviço Social do Comércio (Sesc), Neide Bueno.

Márcia de Araújo Paiva, vice-presidente do Minascentro, disse que o número de eventos em Belo Horizonte não cresce há três anos, e que é necessário um estudo com o intuito de trazer para Minas grandes eventos, além de conseguir dotação orçamentária para o órgão, o que hoje consiste no maior problema.

Visita ao aeroporto de Confins- O deputado Pastor George (PL) iniciou a reunião da Comissão de Turismo, Indústria e Comércio, nesta quarta-feira, na Assembléia Legislativa, relatando a visita da Comissão ao aeroporto de Confins, no dia 15 de abril. De acordo com o deputado, o diretor-superintendente do aeroporto, Ricardo José Rosa Rodrigues, informou que a demanda de vôos no Brasil nos últimos anos cresceu na proporção de 8,7% ao ano, enquanto em Confins houve uma queda da ordem de 12%.

Ricardo Rodrigues justificou a situação, segundo relatório da visita, dizendo que os órgãos governamentais competentes vêm tomando medidas, desde a década de 90, que não contribuem para o desenvolvimento do aeroporto de Confins, como, por exemplo, a autorização para aeronaves de médio porte operarem no aeroporto da Pampulha, o que provocou a transferência de quase todos os vôos das empresas brasileiras de Confins para a Pampulha.

O deputado disse que seria de fundamental importância que o Departamento de Aviação Civil (DAC) restabelecesse a volta da operação, na Pampulha, apenas de aeronaves com no máximo 76 assentos e os chamados Vôos Diretos ao Centro (VDC), liberando também as tarifas aeroportuárias. Na Pampulha, a taxa de embarque estabelecida é de R$ 7,20; e em Confins é de R$ 8,23. Ele disse, ainda, que atualmente o aeroporto de Confins não é viável do ponto de vista operacional.

Segundo Ricardo Rodrigues, o aeroporto de Confins já dispõe da área para implantação do parque industrial previsto pela Lei Estadual nº 13.449/2000. Esta lei criou o Pró-Confins, a implantação do "aeroporto-indústria", mas nunca saiu do papel.

Requerimentos - Foram aprovados três requerimentos durante a reunião, todos de autoria do deputado Pastor George (PL). O primeiro solicita uma audiência pública conjunta da Comissão de Turismo, Indústria e Comércio e Comissão de Meio Ambiente e Recursos Naturais, com os convidados que menciona, para avaliar o potencial turístico e problemas relacionados ao meio ambiente do Parque Estadual do Itacolomi. Outro requerimento solicita a realização de uma audiência pública com a participação dos membros efetivos do grupo coordenador do Pró-Confins, para que prestem esclarecimentos a respeito das ações até agora implementadas pelo grupo, para que a lei seja colocada em prática.

O terceiro requerimento do deputado Pastor George pede que seja enviada uma correspondência ao Departamento de Aviação Civil, na pessoa de seu comandante, brigadeiro Venâncio Grossi, pedindo informações mais detalhadas sobre a competência daquele órgão, no que diz respeito às normas que foram estabelecidas nos últimos anos que acabaram por afetar diretamente a bom funcionamento do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, a partir do início da década de 90.

Foi aprovado, também, um requerimento do deputado Márcio Cunha (PMDB), solicitando a realização de audiência pública com a participação dos administradores do aeroporto da Pampulha e do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, para discutir os problemas que envolvem o funcionamento dos dois aeroportos.

Presenças - Participaram da reunião os deputados Maria Olívia (PSDB), presidente da Comissão; Ambrósio Pinto (PTB); Márcio Cunha (PMDB) e Pastor George (PL); além da presidente da Cooperativa de Trabalho dos Profissionais do Turismo (Cooperatur), Gilda Dias; da vice-presidente da Cooperatur, Marcione Macedo; do representante do Conselho Empresarial de Turismo da AC-Minas, Abel Fagundes; da diretora de Lazer e Turismo do Serviço Social do Comércio (Sesc), Neide Bueno; da coordenadora de Projetos Culturais do Sesc, Janice Fortine; do presidente da Abrajet-MG, Sérgio Neves; da vice-presidente do Minascentro, Márcia de Araújo Paiva e do presidente do BH Convention & Visitors Bureau, Paulo Boechard.

 

Responsável pela informação: Assessoria de Comunicação - 31 - 3290 7715