Convidados defendem gestão metropolitana para o lixo

A Comissão de Meio Ambiente e Recursos Naturais realizou audiência pública, nesta terça-feira (13/11/2001), para disc...

11/12/2001 - 17:56
 

Convidados defendem gestão metropolitana para o lixo

A Comissão de Meio Ambiente e Recursos Naturais realizou audiência pública, nesta terça-feira (13/11/2001), para discutir a elaboração de um Plano Metropolitano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos. A reunião foi realizada a pedido do deputado Rogério Correia (PT), que ressaltou a necessidade de buscar soluções conjuntas para resolver os problemas do lixo em Belo Horizonte municípios da Região Metropolitana. Segundo o deputado, o aterro sanitário de Belo Horizonte está sem condições de receber o lixo, e a Prefeitura buscou alternativas na região de Capitão Eduardo, o que foi impedido por ter sido transformada em Área de Proteção Ambiental (APA).

O secretário Municipal de Coordenação de Política Urbana e Ambiental de Belo Horizonte, Murilo de Campos Valadares, defendeu que a Assembléia Legislativa coordene os debates para levantar as questões e procurar soluções para os problemas urbanos. Segundo ele, é necessário que seja criado um órgão de gestão metropolitano para que todas as cidades da região possam participar e negociar soluções. "É necessário uma integração entre os municípios", ressaltou.

Murilo Valadares afirmou que o aterro de Belo Horizonte, construído em 1973, está com sua capacidade de vida útil esgotada desde 2000, quando alcançou a marca de cerca de 1,5 milhão de toneladas de resíduos. Ele sugeriu que as cidades diminuam sua quantidade de lixo e incentivem a reciclagem. Outro problema é encontrar outro terreno onde construir o aterro sanitário, depois que a região de Capitão Eduardo foi declarada APA.

O vereador de Sabará, Argemiro Afonso Ramos, falou sobre o termo de compromisso assinado entre a prefeitura daquele município e a construtora Queiroz Galvão para a construção e implantação do Centro Metropolitano de Disposição de Resíduos, intitulado Projeto Macaúbas. Segundo ele, Sabará, por ceder o terreno, irá depositar o lixo sem ônus e ficará responsável pela fiscalização do local. O vereador afirmou que o projeto foi feito sem discussão ampla na cidade, por isso uma audiência pública será realizada para buscar explicações sobre a escolha de Sabará para a implantação do aterro.

"A solução para os resíduos sólidos depende de grandes esforços e investimentos coletivos", afirmou a vereadora de Belo Horizonte, Neila Maria Batista Afonso. Segundo ela, os políticos devem verificar a potencialidade dos recursos públicos nessa área e atuar de maneira efetiva na questão. "Se não houver vontade política, nada acontece", afirmou. A vereadora sugeriu investimentos em educação ambiental e que os setores que trabalham na reciclagem de materiais sejam envolvidos na discussão.

Requerimentos - Ainda durante a reunião, foram aprovados 11 requerimentos do deputado Carlos Pimenta (PDT), solicitando o envio de ofícios a órgãos do Poder Executivo.

Presenças - Participaram da reunião os deputados Fábio Avelar (PTB), Rogério Correia (PT), Maria José Haueisen (PT), Miguel Martini (PSB) e autoridades da região metropolitana.

 

Responsável pela informação: Assessoria de Comunicação - 31 - 3290 7715