Unisa irá apresentar proposta a ex-trabalhadores em 10 dias

Mesmo sem a apresentação de uma solução concreta, houve avanço nas negociações entre os ex-empregados da União de Bor...

11/12/2001 - 17:57
 

Unisa irá apresentar proposta a ex-trabalhadores em 10 dias

Mesmo sem a apresentação de uma solução concreta, houve avanço nas negociações entre os ex-empregados da União de Borrachas S/A (Unisa) e a empresa, na reunião da Comissão do Trabalho, da Previdência e da Ação Social, realizada nesta quarta-feira (17/10/2001). Os trabalhadores reivindicam o pagamento dos créditos trabalhistas, pendente desde a falência da empresa, decretada em 1996. Os representantes da Unisa comprometeram-se a apresentar uma proposta formalizada à Comissão para tentar solucionar o impasse. Foi acertado um prazo de dez dias para a entrega da proposta, a contar da data da reunião.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Artefatos de Borracha de Belo Horizonte (Sintibor), Paulo Antônio da Silva, disse que os trabalhadores estavam desesperançosos em receber os seus direitos trabalhistas. Segundo ele, a maioria dos 873 trabalhadores prejudicados não agüentam mais a situação e estão desesperados. "Dez pessoas já morreram devido à falta de condições financeiras. Muitos estão passando fome e já estamos pensando até em montar acampamento no Tribunal de Justiça e na Procuradoria Regional do Trabalho", declarou. O presidente do Sintibor falou que a Unisa não apresenta uma proposta concreta e só faz postergar a solução do problema. Paulo Antônio disse que os trabalhadores não possuem condições financeiras para bancar uma guerra judicial e ainda solicitou a instalação de uma CPI para apurar o caso.

O diretor da Unisa Cristiano Laborne Costa informou que a intenção da empresa é pagar todos os débitos, inclusive a dívida com os ex-trabalhadores. O diretor disse que a possibilidade de pagamento dessa dívida está na venda de alguns imóveis da empresa que não interfiram no parque industrial, e que isso se daria a curto e médio prazos. Um desses imóveis encontra-se alugado para a Fiat Allis e foi avaliado em cerca de R$ 3 milhões. "A Unisa não quer o dinheiro desses imóveis. O valor das vendas seria disponibilizado à Justiça do Trabalho", comentou. De acordo com Cristiano Laborne, há boa vontade da empresa para resolver a situação. O advogado da Unisa Marcelo Toster disse que a empresa reconhece o esforço feito pelos ex-funcionários e tem na questão trabalhista a sua primeira prioridade. Marcelo Toster informou que a empresa compromete-se a abrir mão, em juízo, dos recursos obtidos com a venda desses imóveis.

Recursos judiciais - O promotor de Justiça Aldecir Resende Bollesi de Plá e Sant anna, da 2ª Vara de Fazenda Pública de Falência e Concordata de Contagem, disse que a maior vítima dos processos de falência são os trabalhadores. Segundo o promotor, a empresa não tem demonstrado boa vontade para solucionar o caso. "A Unisa tem dois recursos que impedem o trânsito em julgado da concordata suspensiva", informou. Pelos recursos, a empresa se propõe a pagar apenas 50% da sua dívida com os ex-empregados e, ainda, não abre mão do valor depositado em juízo como garantia para os trabalhadores. Cumprida a concordata suspensiva, a empresa teria 30 dias para efetuar o pagamento aos trabalhadores. Segundo Aldecir, a proposta de venda dos imóveis não soluciona o problema. "Não vejo outra solução que não a retirada dos recursos e a apresentação de um cronograma de pagamento, ou então, a reabertura do processo de falência, com a venda do ativo da empresa", comentou.

O Comissário da Concordata Suspensiva da Empresa Unisa, Paulo Pacheco de Medeiros Neto, enxerga grande dificuldade para uma solução processual. "Os recursos retardam a decisão final e irão, ainda, a julgamento nos tribunais superiores em Brasília, o que levaria mais de um ano", informou. De acordo com o comissário, deve-se buscar uma solução política, uma vez que não é possível aguardar uma definição da Justiça.

O deputado Dalmo Ribeiro Silva (PPB), presidente da Comissão, solicitou consciência aos representantes da empresa para a apresentação da proposta. Para o deputado Luiz Menezes (PPS), a Unisa promoveu uma falência fraudulenta para prejudicar os trabalhadores. O deputado Rogério Correia (PT) disse que a partir da apresentação de uma proposta concreta pela Unisa as negociações poderão avançar e, se preciso, o Legislativo chegará ao seu limite com a instalação de uma CPI.

Presenças

Participaram da reunião os deputados Dalmo Ribeiro silva (PPB), presidente da Comissão, Luiz Menezes (PPS) e Rogério Correia (PT).

 

Responsável pela informação: Assessoria de Comunicação - 31 - 3290 7715