Praga que ameaça bananicultura é debatida na Assembléia

A Comissão de Política Agropecuária e Agroindustrial debateu, nesta quarta-feira (5/9/2001), os perigos da praga "sig...

06/09/2001 - 09:58


 Praga que ameaça bananicultura é debatida na Assembléia

 

A Comissão de Política Agropecuária e Agroindustrial debateu, nesta quarta-feira (5/9/2001), os perigos da praga "sigatoka negra", que constitui a maior ameaça à produção de banana dos projetos irrigados do Norte de Minas Gerais. Técnicos do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), Emater e Epamig participaram da reunião. A bananicultura é a principal fonte de renda agrícola do Norte e a praga não tem como ser evitada mas, como não há foco em Minas Gerais, seu aparecimento pode ser retardado, minimizando seus efeitos. A doença já foi registrada nos estados do Amazonas - onde ocorreu pela primeira vez, em 1998 -, Acre, Rondônia, Roraima, Amapá, Mato Grosso e Pará.

Minas Gerais tem hoje cerca de 40 mil hectares de área plantada com bananas e cada hectare gera três ou quatro empregos diretos e indiretos. Por isso existe uma grande preocupação com a doença, que acarretaria prejuízo econômico e perda de postos de trabalho. As chances da doença atingir Minas Gerais são grandes, uma vez que trata-se de um fungo que dissemina-se no vento, dentro de uma mesma região produtora ou, a longas distâncias, por meio de material contaminado.

Airton Rigueira Bezerra, chefe da Divisão de Defesa Sanitária Vegetal do IMA, afirmou que a "sigatoka negra" é a maior preocupação dos bananicultores, uma vez que ataca as folhas da bananeira, provocando lesões que implicam a redução da produção, pelo não enchimento do cacho, e alteram o metabolismo da planta, com conseqüente perda de qualidade do fruto, maturação precoce e desigual, redução dos "filhotes", aumento o ciclo da cultura e perda de vigor do produto.

DISSEMINAÇÃO E EFEITOS DA DOENÇA PODEM SER MINIMIZADOS

Emater, Epamig e IMA estão desenvolvendo ações conjuntas para dificultar e evitar a disseminação da praga e minimizar seus efeitos. As principais formas são construindo barreiras fitossanitárias, desinfestando as embalagens de transporte de bananas ou adotando a utilização de embalagens descartáveis. Outra medida muito importante, segundo Cláudio Egon Facion, técnico da Epamig, é fazer um trabalho de erradicação dos bananais abandonados, que muito provavelmente serão o primeiro foco de ataque da praga. Cláudio Egon informou ainda que está sendo montada uma estratégia de pulverização programada para controlar o avanço da doença.

Segundo João Augusto de Avelar Filho, coordenador técnico da Emater em Sete Lagoas, é imprescindível conscientizar o produtor sobre os cuidados a serem tomados, especialmente o pequeno, que dispõe de poucos recursos financeiros. Nesse sentido, a Associação dos Bananicultores do Norte de Minas (Abanorte) está fazendo um importante trabalho, assim como todos os órgãos públicos envolvidos com o setor agrícola. O IMA baixou uma portaria, no último mês de abril, determinando que, a partir do próximo dia 23, fica proibido o retorno de caixas de madeira, que são o meio mais comum de acondicionamento de bananas. João Augusto defendeu também a criação de mecanismos para exigir o certificado fitossanitário de origem, que é uma garantia de que produto saiu de sua origem em perfeitas condições.

SEMINÁRIO VAI DEBATER BANANICULTURA

A Epamig vai promover, entre os próximos dias 6 e 9 de novembro, em Nova Porteirinha e Janaúba, o I Simpósio Norte-Mineiro sobre a Cultura da Banana, com a participação de pesquisadores e técnicos de todo o Brasil para debater os problemas da bananicultura, entre eles a "sigatoka negra". Cláudio Egon Facion, da Epamig, afirmou que, no entanto, ainda não há nenhum recurso financeiro disponibilizado para o evento, que terá um custo aproximado de R$68 mil. O deputado Dimas Rodrigues (PMDB), que solicitou a realização do debate desta quarta-feira (5/9/2001), apresentou requerimentos solicitando ao delegado regional do Ministério da Agricultura apoio financeiro para o Seminário e sugerindo a participação da Comissão no encontro.

Outro requerimento do deputado Dimas Rodrigues solicita ao IMA que desenvolva um programa para eliminação do bananal abandonado. O deputado Chico Rafael (PSB) solicitou que a TV Assembléia divulgue o Seminário e promova um debate sobre o problema em sua programação. Os requerimentos serão votados na próxima reunião da Comissão. O deputado Kemil Kumaira (PSDB) lamentou que o governador Itamar Franco preocupe-se mais com política e menos com a administração dos problemas do Estado, como as demandas do setor agrícola e dos produtores.

PRESENÇAS

Participaram da reunião os deputados Chico Rafael (PSB), que presidiu a reunião, Dimas Rodrigues (PMDB) e Kemil Kumaira (PSDB), e os convidados Airton Rigueira Bezerra, do IMA, representando o Secretário de Estado da Agricultura e o diretor-geral do IMA; João Augusto de Avelar Filho, da Emater em Sete Lagoas, representando o presidente do órgão; Marcos Reis Araújo, diretor de Operações Técnicas da Epamig, , representando o presidente da Epamig; Cláudio Egon Facion e Mário Sérgio Carvalho Dias, da Epamig Regional do Norte de Minas. Estavam presentes, também, Geraldo Francisco Lacerda Filho e José Antônio Saib Chequer, prefeito e chefe de gabinete da Prefeitura Municipal de Luisburgo; e o jornalista Jailson Pereira, da Rádio Aranans de Capelinha.

 

 

 

Responsável pela informação: Assessoria de Comunicação - 31-32907715