Lael Varella dá entrevista e CPI comprova denúncias

O deputado federal Lael Varella (PFL/MG) deu uma entrevista coletiva nessa quarta-feira (05/07/2000), na Sala de Impr...

06/07/2000 - 16:09

alinfor.gif (4077 bytes)



 

Lael Varella dá entrevista e CPI comprova denúncias

O deputado federal Lael Varella (PFL/MG) deu uma entrevista coletiva nessa quarta-feira (05/07/2000), na Sala de Imprensa da Assembléia Legislativa, para se defender das acusações feitas na última terça-feira (04) pelo comerciante Devair Lucas, em depoimento à CPI do Narcotráfico. O comerciante acusa o parlamentar de contribuir para lavagem de dinheiro do narcotráfico e de crimes de sonegação fiscal. Segundo as informações do depoente, o deputado federal Lael Varella teria forjado um flagrante de porte de drogas em sua casa.

Durante a entrevista, Varella negou as acusações e ressaltou que elas o pegaram de surpresa. Questionado sobre o suposto tráfico de drogas em animais, o deputado disse que "não teria como fazer tal coisa". O deputado riu ao se inteirar sobre o suposto transporte de drogas dentro dos animais, dizendo que lamentou matéria publicada na Imprensa. "Todos sabem quem sou, mas nem sequer se deram ao trabalho de investigar a vida desse homem que me denuncia", afirmou, ao dizer que ele e a família estavam sofrendo ameaças da parte de Devair Lucas, que exigia R$ 200 mil.

O motivo das ameaças, segundo o deputado, seria o interesse financeiro. Varella acusou o comerciante de calúnia e difamação. Indagado sobre a origem das 58 carretas em nome de Raimundo de Souza Argolo, irmão de Paulo César Argolo, gerente de uma concessionária de propriedade do deputado federal, respondeu dizendo que "se as carretas são de propriedade de Raimundo Argolo, é ele quem deve responder". Varella afirmou que o conhece de vista, mas também não teria contato com ele. Informou também que Paulo César Argolo não trabalha mais na concessionária Copeve, de sua propriedade.

O entrevistado foi questionado sobre quebra de sigilo bancário e afirmou que está disposto a assinar qualquer documento para dar início à apuração das denúncias. Disse, ainda, estar pronto para as investigações da CPI. Os deputados Marcelo Gonçalves (PDT), presidente da CPI; Bené Guedes (PDT), Bilac Pinto (PFL), Cristiano Canêdo (PTB), Sebastião Costa (PFL) e Dinis Pinheiro (PSD) o acompanharam na entrevista coletiva.

CPI apresenta documentos

Após a coletiva, os deputados da CPI também concederam uma entrevista, em que apresentaram documentos que comprovam o envolvimento do deputado Lael Varella com Raimundo de Souza Argolo. De acordo com registros enviados pelo Detran, as 58 carretas, que eram propriedade das concessionárias Covepe e Venac, do deputado Lael Varella, foram passadas ao traficante através do Consórcio Batistela, localizado no interior de São Paulo. Dessas 58, estão ainda em nome de Raimundo Argolo 10 carretas, pois as restantes já foram revendidas.

Os documentos também reafirmam as denúncias de que Hozane Rodrigues Oliveira e Antônio Luiz da Matta funcionam como "laranjas" nas operações comerciais das concessionárias. Em nome de Hozane Rodrigues, um doente mental e lavador de carros, segundo informações, existem ainda duas carretas - 33 já foram repassadas - além de uma empresa de nome Hozane Transasa Ltda. Antônio da Matta, motorista aposentado que esporadicamente presta serviços às empresas de Varella, também tinha em seu nome uma transportadora, além de nove carretas, das quais oito foram revendidas.

Diante desses documentos, os deputados disseram que vão aprofundar as investigações para conhecerem a origem do dinheiro usado na compra das carretas. O deputado Rogério Correia (PT) disse que há evidências de irregularidades e atos ilícitos nas empresas do deputado federal. Para ajudar nas investigações, a CPI contará com a ajuda do Banco Central, da Polícia Federal, do Ministério Público Federal e do Detran, que fará uma análise das carretas. Segundo o deputado Marcelo Gonçalves (PDT), se as irregularidades não forem ligadas ao narcotráfico, a matéria será entregue à Receita Federal, que já estará acompanhando o andamento das apurações.

Estavam presentes os deputados Marcelo Gonçalves (PDT) - presidente da CPI do Narcotráfico, Rogério Correia (PT) - relator, Paulo Piau (PFL), Marco Régis (PPS) e José Henrique (PMDB).

 

Responsável pela informação: Janaina da Cunha - ACS - 31-2907715