Conflito na Fazenda Tangará é tema de reuniões na Alemg

A questão do conflito entre famílias do Movimento de Libertação dos Sem-Terra (MLST) e a Polícia Militar na Fazenda T...

08/05/2000 - 12:33

alinfor.gif (4077 bytes)


Conflito na Fazenda Tangará é tema de reuniões na Alemg

A questão do conflito entre famílias do Movimento de Libertação dos Sem-Terra (MLST) e a Polícia Militar na Fazenda Tangará, em Uberlândia, foi objeto de duas reuniões das Comissões Permanentes da Assembléia Legislativa, na última quarta-feira (03/05/2000). A Comissão de Política Agropecuária e Agroindustrial aprovou requerimento dos deputados Carlos Pimenta (PSDB) e Aílton Vilela (PSDB), solicitando do superintendente do Incra a liberação de laudo feito na fazenda, que teria sido ocupada por cerca de 700 famílias do movimento. No último dia 25 de abril, os militantes entraram em confronto com a Polícia Militar, que queria retirá-los à força. O objetivo do requerimento é agilizar o processo de regularização dos assentados na área da fazenda.

Os autores do requerimento fizeram uma visita ao assentamento, juntamente com os deputados da Comissão de Direitos Humanos, na última terça-feira (02/05/2000) (veja relatório abaixo). Segundo o deputado Carlos Pimenta (PSDB), os militantes informaram que a área foi ocupada por ser considerada improdutiva. Eles aguardam, agora, a liberação do laudo do Incra para regularizar o assentamento e ocupar definitivamente a terra. "De posse do laudo poderemos pedir mais providências ao Estado de Minas Gerais", afirmaram as famílias aos deputados. O deputado Aílton Vilela (PSDB) ressaltou que, apesar da ocupação, a propriedade está intacta. "Eles estão aguardando o laudo do Incra", disse.

RELATÓRIO DA VISITA

Na reunião da Comissão de Direitos Humanos, a deputada Maria Tereza Lara (PT) divulgou o relatório sobre a visita realizada à Fazenda Tangará, em Uberlândia. Os acampados do MLST foram acusados de destruírem uma viatura da polícia e de agredirem profissionais da Imprensa. Conforme o relatório, os fatos divulgados pela Imprensa depunham negativamente contra o MLST. Durante a visita de apuração, lideranças do movimento mostraram aos deputados fita de vídeo bruta dos fatos ocorridos no dia 25 de abril. Segundo o relatório, a fita revela imagens completas e diferentes das veiculadas pelos noticiários da época. As imagens gravadas revelam ainda diálogo entre as lideranças do movimento e a PM. A fita revelou também o uso de um forte aparato policial com atiradores de elite, helicópteros, cães e várias armas. Segundo integrantes do MLST, o Instituto da Terra (ITER) garantiu que a PM compareceria somente para entrega de ordem judicial, sem a necessidade de uso da força.

Imagem de Nossa Senhora - O relatório informou também que a polícia decretou a prisão de quatro líderes do movimento sobre a alegação de que um deles estaria armado. Conforme apuração dos deputados, a imagem veiculada pela Imprensa de uma pessoa armada, era, na verdade, alguém que conduzia uma imagem de Nossa Senhora Aparecida. Segundo conclusão do documento, os fatos deverão ser melhor apurados pelas autoridades, uma vez que a versão divulgada pela mídia não condiz com a total verdade dos fatos.

Participaram da visita à Uberlândia os deputados João Leite (PSDB), Maria Tereza Lara (PT), pela Comissão de Direitos Humanos, e Aílton Vilela (PSDB) e Carlos Pimenta (PSDB), pela Comissão de Política Agropecuária e Agroindustrial.

ALEMG QUER INFORMAÇÕES

A Comissão de Direitos Humanos aprovou, ainda, os seguintes requerimentos:

* Da deputada Maria Tereza Lara (PT), que solicita informações ao Comando Geral da Polícia Militar acerca da operação da realizada, no dia 25 de abril, no acampamento da Fazenda Tangará em Uberlândia;

* Da deputada Maria Tereza Lara (PT), de manifestação de solidariedade às entidades que apóiam os acampados da fazenda Tangará, em Uberlândia;

* Da deputada Maria Tereza Lara (PT), que pede o envio de oficio ao Juiz da 2ª Vara Criminal de Uberlândia, informando que a arma utilizada por manifestantes do MLST, que resultou na prisão de quatro integrantes do Movimento, era, na verdade, uma imagem de Nossa Senhora Aparecida.


Responsável pela informação: Fabiana Oliveira - ACS - 31-2907715