Trabalhadores rurais de Pompéu denunciam emboscada

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Pompéu, Ivo de Castro Machado, e outros três trabalhadores denu...

24/02/2000 - 00:43

Trabalhadores rurais de Pompéu denunciam emboscada

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Pompéu, Ivo de Castro Machado, e outros três trabalhadores denunciaram, nesta terça-feira (1/2/2000), na Sala de Imprensa, que foram vítimas de uma emboscada, na noite do último dia 17 de janeiro, quando chegavam de carro a assentamento da Fazenda Olhos D'água. O local foi desapropriado pelo Incra para fins de reforma agrária. Foram disparados contra o carro três tiros de arma calibre 12. Além de Ivo Machado, foram vítimas da emboscada Júlia Marilda Ferreira, Otávio Guimarães de Oliveira - que levou um tiro no braço - e Nagib Santana de Souza, todos eles trabalhadores assentados. Eles acreditam que a emboscada pode ter sido represália de um grupo de fazendeiros que invadiram o assentamento no ano passado e foram despejados por concessão de liminar da Justiça Federal.

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia, deputado João Leite (PSDB), que também participou da coletiva, informou que a Comissão encaminhará ofício à Secretaria de Estado da Segurança Pública e ao comando da PM exigindo segurança para as vítimas da emboscada. Segundo ele, caso persista a falta de segurança, a Comissão pretende ir a Pompéu. O deputado informou também que vai pedir providências à Polícia Federal, ressaltando que o Governo do Estado precisa dar segurança aos trabalhadores e condições para que a reforma agrária avance em Minas Gerais.

Ivo de Castro Machado pediu garantias de vida para ele e seus companheiros. "Por que nós é que temos que pagar essa conta?", indagou. Maria Antônia Costa Nogueira, diretora da Fetaemg (Federação dos Trabalhadores em Agricultura no Estado de Minas Gerais), que também participou da coletiva, informou que os assentados correm risco de vida. Cobrou também das autoridades a apuração dos fatos.

A fazenda onde foi feito o assentamento - que deverá beneficiar 145 famílias - foi invadida em meados do ano passado por 11 fazendeiros, que colocaram mil cabeças de gado no local. Em 23 de dezembro, houve a desocupação do imóvel, com a participação da Polícia Federal, como conseqüência de ação de reintegração de posse impetrada na Justiça pelo Incra. No último dia 14 de janeiro, no entanto, um fazendeiro teria invadido a área, colocando 170 cabeças de gado no local. Segundo Ivo Machado e a Fetaemg, as famílias já instaladas no assentamento retiraram o gado no dia 16. A emboscada ocorreu no dia seguinte. A deputada Maria Tereza Lara (PT), que também integra a Comissão de Direitos Humanos, esteve na Sala de Imprensa.


Responsável pela informação: Fabiana Oliveira - ACS - 0-XX-31-2907812