Pronunciamento

Discurso

Autor:
DEPUTADO PAULO GUEDES

Data: 09/09/2014   Hora: 14:00


Partido:
PT


Tipo:
Discurso


Resumo:
Critica a reportagem veiculada pelo Sistema Brasileiro de Televisão – SBT – abordando o evolvimento de menores com venda e consumo de drogas e outras questões de segurança pública, no Município de São Francisco, sem mencionar os programas sociais desenvolvidos pela Prefeitura Municipal para sanar tais problemas.


Assunto:
DROGA.
COMUNICAÇÃO.
SEGURANÇA PÚBLICA.
MENOR.


Reunião:
Tipo: ORDINÁRIA Número: 62 ª Data: 09/09/2014 Hora: 14:00


Legislatura: 17 ª Sessão Legislativa: 4 ª Tipo da Sessão: ORDINÁRIA


Publicação: Diário do Legislativo em 13/09/2014 Pág: 5 Col: 1


62ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA 4ª SESSÃO LEGISLATIVA ORDINÁRIA DA 17ª LEGISLATURA, EM 9/9/2014

Palavras do deputado Paulo Guedes


O deputado Paulo Guedes* - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, quero cumprimentar o público presente nas galerias, saudar a imprensa e, de forma especial, cumprimentar todos os mineiros e mineiras que nos acompanham ao vivo pela TV Assembleia em diversas cidades de Minas Gerais.

Hoje o que me traz a esta tribuna é a ligação de pessoas de São Francisco. A população desse município está indignada com uma reportagem veiculada no SBT, que, agindo de forma tendenciosa, denigre a imagem da cidade. A equipe do SBT, ao chegar à cidade, não procurou nenhum dos órgãos do governo municipal, não ouviu a prefeitura, não foi ao Ministério Público, não foi a lugar nenhum, a nenhuma instituição do município. O SBT divulgou uma reportagem muito tendenciosa que denigre a imagem do lugar como um todo e deixa indignados os servidores municipais que atuam na área de ação social. Esse repórter do SBT que esteve em São Francisco fazendo essa matéria foi de uma infelicidade muito grande.

Primeiramente, ele não foi à Secretaria de Ação Social ouvir o que o Município de São Francisco tem feito pela área social. Ele não foi ao gabinete do prefeito. Ele não procurou a Secretaria de Saúde. Não foi ouvida nenhuma fonte oficial na reportagem.

Entristece-nos o modo como ultimamente a imprensa tem tratado essas questões no País. Simplesmente querem manchetes polêmicas para tentar prender a atenção das pessoas.

Vim hoje dizer aos repórteres do SBT que deveriam, ao irem a uma cidade como São Francisco ou qualquer outra, ao fazerem uma reportagem sobre drogas ou prostituição infantil, ouvir as fontes do município. A reportagem não mostra em momento algum que há em São Francisco oito Cras, sendo um deles rural; que há quatro Cras na cidade e três volantes; que há um conselho tutelar altamente atuante.

A reportagem atingiu pessoas de bem, os servidores públicos da Secretaria de Ação Social. São Francisco tem mais de 8 mil famílias beneficiadas pelos programas sociais do governo, e a Secretaria de Ação Social é altamente competente.

A reportagem não olhou nada disso. A reportagem apenas quis denegrir a imagem de uma cidade e de um povo. Por isso, venho aqui pedir ao SBT uma retratação. É um absurdo o que foi feito nessa reportagem, a forma como mostraram a cidade de São Francisco. Sou deputado majoritário lá. Conheço a cidade como a palma da minha mão. Conheço todos os detalhes dessa cidade, que cresceu e avançou muito nos últimos 12 anos. Em São Francisco avançamos em todas as áreas. Mais de quatro mil famílias foram beneficiadas com o programa Luz para Todos e com o programa Água para Todos. Vários programas melhoraram a renda de quem vive na cidade e na zona rural daquele município. Hoje podemos atestar que a parceria que o governo municipal tem com o governo federal diminuiu a pobreza e uma série de problemas que a cidade realmente tinha no passado.

O aumento da violência não pode ser creditado apenas à cidade ou à administração municipal. A segurança pública, deputado Ulysses, é uma questão de Estado. O problema das drogas que aumentou em todos os municípios de Minas Gerais e a bandidagem, que anda solta por aí, aliciando jovens, são também questões de Estado. Mas a reportagem do SBT maldosamente não tocou nesse assunto. Na reportagem parece que estamos vivendo em um estado maravilhoso, em um estado que tem tudo, mas isso não é verdade. A segurança pública em Minas Gerais está sucateada. Falta tudo, até papel higiênico nas delegacias. Falta delegado, falta escrivão, faltam investigadores, faltam viaturas. Se as prefeituras não colocarem combustível nas viaturas das Polícias Militar e Civil, elas não têm condições de sair da delegacia ou do quartel. Essa é a triste realidade da segurança pública em Minas Gerais.

E se há aumento nos índices de criminalidade e de prostituição, isso também é problema do Estado. Eu, como barranqueiro e deputado majoritário na cidade de São Francisco, fiquei indignado com essa reportagem maldosa de cunho político-eleitoral, que vem tentar denegrir a imagem de uma cidade que cresce e se destaca em toda a nossa região. São Francisco é um município com mais de 55 mil habitantes e melhorou todos os seus índices nos últimos 12 anos. Todos os índices sociais da cidade melhoraram nos últimos 12 anos. Diminuímos a pobreza, melhoramos a vida de quem vive no campo e na cidade. Hoje as pessoas têm mais dignidade, têm energia em casa, têm água encanada em todas as comunidades rurais. Atualmente São Francisco é uma cidade diferenciada do ponto de vista de atendimento àquelas pessoas que mais precisam.

Mas aí o SBT chega à cidade e inventa uma reportagem. Não tiveram o mínimo cuidado de, pelo menos, ir à prefeitura ou de procurar o Ministério Público da cidade, o conselho tutelar ou a Secretaria de Ação Social. Mas não, eles queriam uma manchete, eles queriam uma reportagem para denegrir não só a imagem de São Francisco, mas a do País. Não podemos aceitar o que essa imprensa vem fazendo com o nosso país. Fizeram isso em todos os sentidos. Tentaram denegrir a imagem do Brasil quando foi promovida a melhor Copa do Mundo da história. Eles se esquecem de alguns problemas pontuais que são dever do Estado, como a segurança pública. Eles querem colocar isso nas costas do governo federal ou do municipal. Está bem claro na Constituição que a segurança pública é questão do Estado.

Se o Estado abandona a segurança pública, se o Estado não coloca defensores públicos e promotores em todas as comarcas, delegados e investigadores em todas as delegacias e se não pode equipar melhor sua polícia para coibir o tráfico e, consequentemente, a prostituição infantil, não podemos aceitar que uma equipe da imprensa vá a uma cidade para denigrir a sua imagem, como fez a equipe de reportagem do SBT. Não aceitamos esse tipo de coisa. Por isso, vim aqui para mostrar nossa indignação e me colocar ao lado daqueles que sempre trabalharam em favor das populações que mais necessitam no Município de São Francisco.

Assim, quero parabenizar o conselho tutelar de São Francisco; a secretária de Ação Social e toda a equipe da secretaria, que estão fazendo um belíssimo trabalho; o prefeito Luizinho e sua equipe, que cuidam dos programas da área social, que cuidam das comunidades rurais e têm se esforçado para garantir o abastecimento de água nas comunidades e a qualidade de vida e de moradia das pessoas. No atual governo de São Francisco, já foram construídas mais de 500 novas moradias populares na cidade, pelo Minha Casa Minha Vida, e instituídos programas nas comunidades rurais. Então, diante da reportagem maldosa do SBT, que tenta vender uma imagem negativa de uma cidade que é símbolo de nossa região e que leva o nome do Rio da Integração Nacional, vim fazer este desagravo contra o SBT e essa mídia golpista que tenta vender o caos.

Por que nunca vi neste país uma reportagem falando das coisas boas? Infelizmente, a grande imprensa brasileira é carniceira, só quer fazer reportagens ruins. Sobre São Francisco, por que não passou uma reportagem sobre as mais de 150 comunidades rurais que há 12 anos não tinham água e hoje têm? Sobre as 4 mil famílias que viviam à luz do candeeiro e hoje têm energia elétrica? Sobre as 8 mil famílias que viviam abaixo da linha da pobreza e hoje são atendidas nos programas Bolsa Família, Pronatec, Pronaf e tantos outros que mudaram a realidade de quem vive no campo naquela cidade? Não. Isso não rende Ibope. A televisão quer ver a carnificina e tratar o País como se ainda fosse um país de terceiro mundo. Mas, graças a Deus, aquele Brasil de antigamente, de 12 anos atrás, quando muitos brasileiros não tinham motivo para acender o fogo de manhã por não ter o que cozinhar, não existe mais. Isso é coisa do passado.

Hoje vivemos em um país que tem a menor taxa de desemprego da América Latina; que gerou, nos últimos 12 anos, 22 milhões de emprego com carteira assinada; e que melhorou a vida do povo, que está podendo sonhar com programas importantes como o Minha Casa Minha Vida, pelo qual já se construíram mais de 5 milhões de unidades no País e que aqueceu a economia e gerou emprego e renda. Hoje o brasileiro comum, a empregada doméstica, o trabalhador rural, o pedreiro, ou seja quem for, pode sonhar com uma casa nova, com uma televisão nova, com o financiamento do seu carro ou da sua moto ou com uma viagem de avião. Antigamente, uma pessoa de São Paulo, Recife ou Mato Grosso passava oito dias dentro de um ônibus ou em um pau de arara para visitar a família em Minas Gerais; hoje, pode vir de avião, porque os aeroportos do Brasil foram democratizados nos últimos 12 anos. É isso o que a imprensa deveria anunciar.

Mas a imprensa só quer procurar carnificina, só quer divulgar coisa ruim. E ela foi envergonhada na Copa porque a imprensa mundial que veio aqui testemunhou que o povo brasileiro é um povo acolhedor, um povo que sabe receber, e que o nosso governo soube organizar a melhor Copa do Mundo da história.

É isso o que a grande imprensa deveria vender para o mundo: um país que cresce, um país que está respeitando suas minorias, que está respeitando os índios, os negros, que criou as cotas raciais, de inclusão da sociedade no mercado de trabalho, que criou o ProUni e o Fies, que atendem milhões de jovens, e estes hoje podem sonhar com cursar uma universidade. Há o Pronatec, que atende mais de 8 milhões de pessoas com cursos profissionalizantes. Disso a imprensa não fala nada. A imprensa não fala que o Brasil vivia de pires na mão, que o Brasil vivia recorrendo ao FMI em qualquer crise. E, de 12 anos para cá, nós não temos mais crise no País, nós temos reservas cambiais suficientes para enfrentar qualquer crise.

Era disso que a imprensa deveria falar. E São Francisco, graças a Deus, é uma cidade que cresce, uma cidade que tem obras, que tem um prefeito atuante, um menino sério, responsável, que conta com uma equipe que trabalha na prefeitura com o mesmo afinco, que trabalha para o povo, que cuida das comunidades. Agora, pegar um problema que é do Estado, de segurança pública, de violência, e manchar o nome da cidade como se isso fosse um problema municipal, isso nós não podemos aceitar.

Por isso, prefeito Luizinho, contem com a nossa solidariedade: você, os companheiros do conselho tutelar, os servidores das Secretarias Municipais de Ação Social, de Saúde e de todas as secretarias que cuidam do bem-estar da população de São Francisco. Muito obrigado.

* - Sem revisão do orador.



Compartilhe:
Twitter Facebook
Email Versão para impressão

Perguntas Frequentes

  • Que pronunciamentos estão disponíveis no portal?

    Estão disponíveis os pronunciamentos de deputados feitos nas reuniões de Plenário e em eventos institucionais como seminários legislativos, fóruns técnicos e ciclos de debates. Podem-se pesquisar declarações de voto; discursos e apartes; questões de ordem; e decisões do presidente da Assembleia sobre os trabalhos legislativos.
    Também estão disponíveis pronunciamentos feitos por palestrantes, debatedores e demais participantes nos eventos citados.
    O resultado de pesquisa exibe pronunciamentos integrais a partir de 2001. Dados referenciais estão disponíveis desde 1988.

  • Quando os pronunciamentos estão disponíveis para consulta no portal?

    Os pronunciamentos estão disponíveis para consulta no dia seguinte ao de sua publicação no diário oficial do Estado.

  • Os pronunciamentos são editados antes de serem liberados?

    Os pronunciamentos não são editados. O que é feito, ao final das reuniões do Plenário, é a revisão e a montagem das notas taquigráficas dos discursos.

Veja também