As políticas para a juventude estariam ameaçadas pelo corte de investimentos federais e por reforma do ensino médio - Arquivo/ALMG

Comissão discute como fortalecer políticas para a juventude

Audiência nesta sexta (7) debate formas para garantir direitos das novas gerações num cenário de cortes e reformas.

06/10/2016 - 14:25

O conflito entre demandas da juventude e propostas em tramitação no Congresso Nacional será tema de audiência da Comissão de Direitos Humanos nesta sexta-feira (7/10/16), às 10 horas, no Auditório da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

De acordo com o presidente da comissão e autor do requerimento, deputado Cristiano Silveira (PT), o objetivo é debater ações propositivas para o fortalecimento das políticas para a juventude, segundo ele ameaçadas pelo corte de investimentos federais e por uma reforma do ensino médio sem discussão com a sociedade.

“Temos a PEC 241 que está sendo discutida em Brasília e pretende cortar investimentos nas áreas da educação e assistência social. É o caminho contrário do que precisamos. Tirar verbas dessas áreas vai comprometer o futuro das próximas gerações”, critica o deputado, em referência à Proposta de Emenda à Constituição, em tramitação no Congresso Nacional, que limita despesas do governo para os próximos 20 anos.

“O Congresso também está propondo uma reforma do ensino médio, cortando disciplinas e reduzindo investimentos. Tudo isso sem dialogar com as partes mais interessadas, que são os estudantes, professores, pais e responsáveis”, frisa ainda o deputado, com críticas também ao projeto da Escola Sem Partido, segundo ele “descabido e preconceituoso”.

Cristiano Silveira ressalta que serão ouvidos representantes da juventude para discutir formas de resistência a essas propostas, uma vez que elas estariam sendo decididas de forma unilateral.

Convidados - Foram convidados para a reunião o subsecretário de Juventude da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania, Miguel Ângelo Monteiro Andrade; o representante do Levante Popular da Juventude, Aruanã Leonel; e a diretora da União Estadual dos Estudantes (UEE), Scarllethy Alves.