Notícias Rss

14/06/2017 17h00 - Atualizado em 14/06/2017 17h57

PEC que cria adicional da educação pode voltar ao Plenário

Adicional para servidores da educação foi criado em 2015, mas não pode ser pago sem mudança na Constituição.

Compartilhe:
Twitter Facebook
Email Versão para impressão

Está pronta para votação em 2º turno no Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 45/17, que assegura o recebimento do Adicional de Valorização da Educação Básica (Adveb) aos servidores da categoria.

A proposição voltou à comissão especial nesta quarta-feira (14/6/17), para que fosse analisado o substitutivo nº 1 ao vencido (texto aprovado com alterações em 1º turno), apresentado em Plenário.  O parecer da relatora, deputada Celise Laviola (PMDB), foi pela aprovação da PEC na forma do substitutivo nº 2, que apresentou.

O novo texto acata as alterações propostas pelo substitutivo nº 1, mas faz adequações à técnica legislativa, para maior clareza do conteúdo. A proposição atribui mensalmente aos servidores de cargo de provimento efetivo das carreiras do Grupo de Atividade da Educação Básica do Poder Executivo o adicional de 5% do vencimento a cada cinco anos de efetivo exercício, contados a partir de 1º de janeiro de 2012.

Uma vez aprovada em 2º turno pelo Plenário e em redação final, a PEC será promulgada pela Mesa da Assembleia no prazo de cinco dias úteis, dispensando sanção do governador por se tratar de emenda constitucional.

A expectativa, segundo a relatora da comissão especial, é de que já na próxima semana se encerre a tramitação. “A dificuldade maior é que, pelo fato de ser uma emenda à Constituição, a votação em 2º turno no Plenário exige quorum qualificado (mínimo de 48 deputados), mas acreditamos que isso não será um problema porque a matéria é consenso”, afirmou Celise Laviola.

Adicional - O Adveb foi criado pela Lei 21.710, de 2015, que extinguiu a política remuneratória da educação por regime de subsídio, retornando ao sistema de vencimento.

De acordo com os autores da PEC, cujo primeiro signatário é o deputado Rogério Correia (PT), o adicional não vinha sendo pago em função do dispositivo constitucional que impedia o pagamento de acréscimos aos servidores estaduais exclusivamente em razão do tempo de serviço.

Essa regra, na prática, extinguiu gratificações como o antigo quinquênio para todos os servidores que ingressaram no funcionalismo estadual depois de 15 de julho de 2003. A PEC dá nova redação ao artigo 116 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, de modo a abrir uma exceção que permita o pagamento do adicional aos servidores da educação.

Consulte o resultado da reunião.


Tópicos:
Últimas Notícias

Notícias

27/06/2017

Pais defendem escolas especiais para alunos com deficiência

Governo do Estado segue diretrizes para inclusão desses estudantes em escolas regulares, medida que tem gerado polêmica.

27/06/2017

Jovens pedem interiorização de fórum técnico

Manifesto entregue à comissão defende que as políticas públicas para a juventude retratem a diversidade de Minas.

27/06/2017

Atos de licitação deverão ser publicados na internet

Objetivo é garantir maior transparência nos processos de compras realizados pelo poder público.

27/06/2017

Plano Estadual de Cultura chega ao Plenário

Proposição define metas e estratégias para políticas públicas na área cultural nos próximos dez anos.

28/06/2017 Boletim da manhã
Seu browser não suporta flash player
00:03:12 | Download (3010kb)

27/06/2017 Pais de alunos com deficiência apontam falhas na inclusão escolar
Seu browser não suporta flash player
00:02:23 | Download (2239kb)
facebook facebook
Carregando Carregando posts...
Twitter Twitter
Twitter