Notícias Rss

No início da reunião, foi feito um minuto de silêncio em protesto contra a aprovação da reforma trabalhista no Congresso
No início da reunião, foi feito um minuto de silêncio em protesto contra a aprovação da reforma trabalhista no Congresso - Foto: Willian Dias
O senador Paulo Paim leu carta com duras críticas às reformas propostas pelo governo federal
O senador Paulo Paim leu carta com duras críticas às reformas propostas pelo governo federal - Foto: Willian Dias
Seu browser não suporta flash player
Parlamentares se posicionam contra reforma da Previdência
27/04/2017 19h07

Centrais sindicais convocam para greve nesta sexta (28)

Na ALMG, senador Paulo Paim declara acreditar que reformas previdenciária e trabalhista podem ser barradas.

Compartilhe:
Twitter Facebook
Email Versão para impressão

A convocação para a greve geral desta sexta-feira (28/4/17), contra as reformas da previdência e trabalhista propostas pelo governo Michel Temer, marcou a reunião da Comissão do Trabalho, da Previdência e da Assistência Social da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) desta quinta-feira (27/4/17).

Solicitada pelos deputados Celinho do Sinttrocel (PCdoB) e Rogério Correia (PT) e pela deputada Marília Campos (PT), a reunião teve como objetivo debater a proposta de reforma da previdência em tramitação no Congresso Nacional.

O principal convidado foi o senador Paulo Paim (PT-RS), que leu uma carta com duras críticas às reformas trabalhista e previdenciária em tramitação no Congresso Nacional. Segundo a carta, “a reforma trabalhista vai promover o esmagamento da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e da própria justiça trabalhista, aprofundando a desigualdade social”.

Em relação à reforma da Previdência, a carta diz que tal proposta só interessa ao mercado financeiro e, não à toa, é rejeitada pela população brasileira. Ao final da leitura, Paim revelou que o autor da carta é o ex-presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

“Isso é para mostrar que não estamos derrotados. Mesmo a reforma trabalhista não tem garantia de que passe no Senado, mas isso só vai acontecer se pararmos o País nesta sexta-feira (28)”, avaliou o senador.

“A greve geral será o primeiro grande momento de enfrentamento deste governo imoral e ilegítimo”, continuou Paulo Paim. O senador também considerou o presidente Michel Temer covarde “por tentar humilhar os mais humildes”.

Centrais sindicais se posicionam contra as reformas

Representantes de várias centrais sindicais convocaram os trabalhadores a aderirem à greve geral e se posicionaram contra as reformas.

Jairo Nogueira Filho, da Central Única dos Trabalhadores (CUT), deu um panorama da perspectiva de paralisação por categorias. Segundo ele, com a paralisação dos aeroviários, serão cancelados os voos desta sexta-feira (28). Também vão parar funcionários dos Correios, rodoviários e metroviários, entre outras categorias.

Oraldo Paiva, da Central Sindical e Popular (CSP Conlutas), disse que, pela primeira vez, foi possível unificar todo o movimento sindical contra as propostas federais. “Amanhã é o dia das nossas vidas. Temos tudo para fazer a maior greve geral da história do País”, comemorou.

Robson de Souza, da Federação dos Aposentados e Pensionistas de Minas Gerais, reforçou que a previdência nunca foi deficitária. “Foram retirados 30% dos recursos da previdência por meio da Desvinculação das Receitas da União (DRU)”, denunciou.

Gilson Reis, vereador de Belo Horizonte, declarou que “se o governo Temer está radicalizando, a radicalização tem que vir do lado de cá”. Na sua opinião, a atual geração tem que honrar a memória dos que lutaram por conquistas de que a sociedade se beneficia hoje. “Temos a responsabilidade de não permitir nenhum retrocesso civilizatório”, concluiu.

A procuradora do Trabalho Adriana de Souza destacou que a posição do Ministério Público do Trabalho é de respeito ao direito de greve do trabalhador. Ela ressaltou que o órgão vai paralisar as atividades nesta sexta (28) e não vai adotar nenhuma medida que impeça a greve, já que as reformas colocadas, especialmente a trabalhista, afrontariam a Constituição Federal.

Deputados apoiam paralisação

Logo no início da reunião, o deputado Celinho do Sinttrocel pediu um minuto de silêncio em protesto contra a aprovação da reforma trabalhista na Câmara dos Deputados, considerada por ele um crime contra o povo brasileiro. Ele defendeu a instalação no Senado da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Previdência. “Aí vamos saber para onde estão indo os recursos da Previdência”, disse.

O deputado Doutor Jean Freire (PT) informou que nesta sexta-feira (28) estará em Itaobim (Vale do Jequitinhonha), para protestar na BR-116. “Este momento tem que dar frutos. Temos que ir à prática, com cada um fazendo sua parte, chamando para a greve na sua rua, no seu bairro”, defendeu.

O deputado Geraldo Pimenta (PCdoB), por sua vez, garantiu estar junto do povo brasileiro “contra o desmonte proposto pelo governo federal”.

Consulte o resultado da reunião.


Tópicos:
Últimas Notícias

Notícias

22/05/2017

Participantes de audiência defendem eleições diretas já

Reunião na ALMG faz balanço negativo de um ano sem Dilma e aponta nova ameaça à democracia em recente crise política.

22/05/2017

Projeto de criação de fundos estaduais chega ao Plenário

Mesa da ALMG se pronuncia sobre judicialização da tramitação do Projeto de Lei 4.135/17.

22/05/2017

Biblioteca do Palácio da Inconfidência é reaberta

Usuários passam a contar com um espaço mais confortável, amplo e moderno para realizar leituras, estudos e pesquisas.

22/05/2017

Panorama aborda mundo fitness

Programa da TV Assembleia fala sobre os riscos de dietas e exercícios físicos sem orientação profissional.

23/05/2017 Boletim da manhã
Seu browser não suporta flash player
00:03:07 | Download (2926kb)

23/05/2017 Lei Brasileira de Inclusão exige acessibilidade adequada a consumidores com deficiência
Seu browser não suporta flash player
00:02:26 | Download (2290kb)
facebook facebook
Carregando Carregando posts...
Twitter Twitter
Twitter

Infográficos

Credor ou devedor? Estado argumenta que tem créditos a receber. Assembleia iniciou movimento pelo acerto de contas entre Minas e a União. Deputados querem compensação de perdas tributárias nas exportações.