Notícias Rss

06/12/2016 18h25 - Atualizado em 06/12/2016 21h42

Efetivo da PM e dos Bombeiros pode voltar ao Plenário

Administração Pública também aprova parecer de 2º turno favorável a projeto sobre assédio moral contra militares.

Compartilhe:
Twitter Facebook
Email Versão para impressão

Está pronto para apreciação do Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), em 2º turno, o Projeto de Lei (PL) 3.845/16, que fixa os efetivos da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros. O relator, deputado Cabo Júlio, opinou pela aprovação da matéria na forma do vencido (texto com alterações aprovado em 1º turno), com a emenda nº 1, do deputado Sargento Rodrigues (PDT). O projeto foi analisado pela Comissão de Administração Pública na tarde desta terça-feira (6/12/16).

O objetivo da proposição é promover adequações no quadro de distribuição dos militares em face das necessidades das duas corporações, sem aumentar seu quantitativo e, portanto, sem gerar novas despesas. Os efetivos permanecerão sendo 51.669 homens na Polícia Militar e 7.999 no Corpo de Bombeiros.

Emenda - A emenda nº 1 acrescenta artigo ao projeto para garantir que o soldado de 1ª classe candidato à promoção por tempo de serviço deverá satisfazer as condições para promoção na data em que completar oito anos de efetivo serviço.

Também é acrescentado parágrafo único à emenda estabelecendo que os comandantes-gerais das duas corporações deverão promover o soldado à graduação de cabo, por tempo de serviço, independentemente de vaga e de frequência a curso específico.

Assédio moral contra militares

Também está pronto para o 2º turno em Plenário o Projeto de Lei Complementar (PLC) 25/15, do deputado Sargento Rodrigues, que dispõe sobre prevenção e punição do assédio moral contra os militares do Estado. O relator, deputado Cabo Júlio, opinou pela aprovação do projeto na forma do vencido em 1º turno.

O texto votado considera assédio moral a conduta de agente público que tenha por objetivo degradar as condições de trabalho de militar, atentar contra seus direitos, comprometer sua saúde ou seu desenvolvimento profissional. As modalidades de assédio tipificadas na proposição vão desde ofensas até apropriação indevida de ideias, passando por manifestações públicas de desprezo, boatos e comentários maliciosos.

De acordo com o PLC 25/15, o assédio moral contra militares poderá ser punido com advertência, suspensão do trabalho, destituição do cargo, reforma disciplinar compulsória e até demissão, de acordo com o dano e a reincidência das práticas consideradas abusivas.

Para prevenir o assédio moral, o projeto prevê a realização de cursos, debates e palestras, a produção de cartilhas de conscientização e o acompanhamento de estatísticas sobre licenças médicas para identificar setores com indícios dessa prática.

Além disso, a proposição estabelece que os comandos da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros deverão criar comissões de conciliação para buscar soluções não contenciosas para os casos de assédio moral.

Consulte o resultado da reunião.


Tópicos:
Últimas Notícias

Notícias

26/05/2017

Agenda - Semana tem debate sobre impactos da Lei Kandir

Comissão de Acerto de Contas entre Minas e a União tem audiência nesta segunda-feira (29), às 14 horas, no Plenário.

26/05/2017

Plenárias municipais do Parlamento Jovem começam em junho

Programa de formação cidadã de estudantes tem como tema Educação Política nas Escolas.

26/05/2017

Crescimento da criminalidade em Machado motiva reunião

Deputados da Comissão de Segurança Pública visitam região, onde discutem providências para reagir à onda de crimes.

26/05/2017

Sala de Imprensa analisa cobertura da crise política

Programa da TV Assembleia vai debater o tratamento dado pela mídia brasileira às delações da JBS.

26/05/2017 Assembleia em Ação - Resumo da semana de 22/5 a 26/5/2017
Seu browser não suporta flash player
00:03:02 | Download (2844kb)

26/05/2017 Boletim do dia
Seu browser não suporta flash player
00:03:06 | Download (2912kb)
facebook facebook
Carregando Carregando posts...
Twitter Twitter
Twitter

Infográficos

Credor ou devedor? Estado argumenta que tem créditos a receber. Assembleia iniciou movimento pelo acerto de contas entre Minas e a União. Deputados querem compensação de perdas tributárias nas exportações.