Notícias Rss

18/10/2016 19h27

Transferência de imóveis da Codemig tem parecer favorável

Prédios da Cidade Administrativa devem ser transferidos para o Estado e terrenos do Executivo passam para a empresa.

Compartilhe:
Twitter Facebook
Email Versão para impressão

Dois projetos de lei (PLs) do governador Fernando Pimentel que tratam de imóveis da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) receberam, nesta terça-feira (18/10/16), pareceres favoráveis de 1º turno da Comissão de Administração Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

As proposições, que tiveram como relator o presidente da comissão, deputado João Magalhães (PMDB), serão analisadas pela Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária (FFO), antes de seguirem para o Plenário.

PL 3.482/16 autoriza o Poder Executivo a receber os imóveis do complexo da Cidade Administrativa, que foram construídos pela Codemig. A transferência será efetivada por meio de compensação pelo abatimento de capital efetuado nas ações do Estado junto à empresa, no valor de R$ 1,1 bilhão, referentes aos custos das obras e identificados no balancete de novembro de 2015.

Os valores correspondem à construção do Palácio Tiradentes, Auditório Juscelino Kubitschek, Edifícios Minas e Gerais, Centro de Convivência, Estação de Água Gelada e Prédio de Serviços Alterosa.

O relator explicou no parecer que, em audiência realizada em agosto, o presidente da Codemig, Marco Antônio Castello Branco, reafirmou que os prédios tiveram sua construção viabilizada pela empresa, porém, em terreno do Estado.

Em decorrência disso, o valor de custo da construção passou a figurar no ativo de sua contabilidade, mas, como não houve remuneração do Estado para a utilização do patrimônio, esse investimento não foi recuperado, gerando um prejuízo acumulado em seu balanço.

"Para sanar essa confusão patrimonial, era necessário que os prédios passassem para o Estado com a contrapartida da diminuição do capital social", esclarece o parecer do deputado João Magalhães, favorável à aprovação da matéria na forma original.

Alienação - Já o PL 3.502/16 autoriza o Executivo a alienar à Codemig cinco imóveis:

  • Um terreno de 34,9 hectares no bairro Olhos D'Água;
  • Dois lotes com área total de 1.225 m², na Avenida Assis Chateaubriand;
  • Dois terrenos com áreas de 27.629,61 m² e de 30.704,9 m², no bairro Bonsucesso, todos esses na Capital;
  • Uma área de 9.645,70 m², a ser desmembrado do imóvel denominado “Fazenda do Estado”, em Lagoa Santa (Região Metropolitana de Belo Horizonte).

Segundo o Executivo, o patrimônio cedido permitirá o aumento das garantias da Codemig para a realização de operações financeiras, o que permitirá o fomento da economia mineira.

O relator opinou pela aprovação do projeto na forma do substitutivo nº 1, da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que corrige divergências entre os dados cadastrais dos imóveis no projeto e os registros apensados ao processo, insere um memorial descritivo e faz outras adequações necessárias à técnica legislativa.

A proposição assegura ao Estado o direito de recompra dos imóveis em operação financeira que os envolva, podendo haver abatimento de capital efetuado nas ações do Estado junto à Codemig no valor que vier a ser apurado quando da recompra dos bens.

De acordo com o presidente da Codemig, o terreno no bairro Olhos D'Água já é gerenciado pela empresa e o objetivo do PL 3.502/16 é regularizar a situação.

No caso dos dois lotes situados na Avenida Assis Chateaubriand, os imóveis vizinhos pertencem à Codemig e a transferência propiciará melhor utilização da área. Os terrenos no bairro Bonsucesso ficam próximos ao Distrito Industrial do Jatobá e contribuirão para o desenvolvimento local.

Na área de Lagoa Santa, a Codemig pretende, em conjunto com universidades de Santa Catarina e de São Paulo, implantar o projeto Laboratório Fábrica Ímãs de Terras Raras, para desenvolvimento dessa tecnologia em Minas.

Cadastro de fornecedores também tem parecer favorável

A comissão também aprovou parecer favorável ao PL 1.059/15, do deputado Gilberto Abramo (PRB), que, em sua forma original institui o cadastro de fornecedores impedidos de licitar e contratar com a administração pública. O relator, deputado Cabo Júlio (PMDB), opinou pela aprovação da proposição na forma do substitutivo nº 1, apresentado pela CCJ.

O novo texto transforma o projeto numa alteração à Lei 13.994, de 2001, que já institui tal cadastro. O substitutivo inclui no texto legal a inovação apresentada pelo autor, que é assegurar aos órgãos e entidades da administração pública estadual, bem como a qualquer interessado, o livre acesso ao cadastro instituído.

Audiências - Durante a reunião, a comissão aprovou dois requerimentos do deputado Cabo Júlio para realização de audiências públicas.

O parlamentar quer debater a substituição dos agentes de carreira por "pessoas estranhas ao sistema da Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap) e da Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi)"; e o cronograma de apropriação de responsabilidade das cadeias públicas pela Seap/Suapi.

Outro requerimento do deputado é para convocar o subsecretário de Segurança Prisional, Washington Clark dos Santos, para debater a falta de estrutura dos presídios do Estado.

Consulte o resultado da reunião


Tópicos:
Últimas Notícias

Notícias

27/03/2017

Parlamento Jovem contribui para transformação social

Potencial do projeto de formação política é destacado em lançamento da edição 2017, que terá 65 câmaras participantes.

27/03/2017

Machismo nas relações de trabalho em pauta na ALMG

Ciclo de debates nesta quinta-feira (30) terá painéis sobre enfrentamento da desigualdade entre homens e mulheres.

27/03/2017

Programa Panorama aborda saúde dos idosos

Atração da TV Assembleia debate as políticas públicas oferecidas à população acima dos 60 anos.

27/03/2017

Inscrições para seleção do Segunda Musical estão abertas

Pedido deve ser feito a partir desta segunda (27) até 14 de abril. Processo terá as etapas de habilitação e audição.

28/03/2017 Cliente deve ter cautela ao reclamar contra empresa em rede social
Seu browser não suporta flash player
00:03:19 | Download (3118kb)

28/03/2017 Boletim do dia
Seu browser não suporta flash player
00:03:04 | Download (2885kb)
facebook facebook
Carregando Carregando posts...
Twitter Twitter
Twitter

Infográficos

Em 5 de novembro de 2015, o rompimento da barragem de rejeitos da Samarco destruiu o povoado de Bento Rodrigues, matou 19 pessoas e poluiu o Rio Doce com metais pesados.